Home / A Gente Lemos / Vida e obra de pessoas vivas: Marcelo D’Salete

Vida e obra de pessoas vivas: Marcelo D’Salete

 

Nota do Tradutor (mentira, é do autor mesmo, mas eu sempre quis escrever isso)
Esse post começou a ser escrito em 2014.
Um ano antes eu havia conhecido os dois primeiros álbuns do Marcelo D’Salete (Noite Luz e Encruzilhada) depois de mediá-lo numa mesa do FIQ de 2013. Abri o post no QG e deixei cozinhando.
Aí, no feriado, pensei em fazer um vídeo. Mas editar esse trem é um porre, e nem por decreto eu deixaria o N.A.S.I.C. ter acesso à imagens minhas preparando a câmera de cueca mal vestido. Então voltou a ser texto mesmo. Aproveite. Ou não.


 

Conta o Télio Navega no seu livro “Os Quadrinistas”, que Marcelo D’Salete nasceu em São Bernardo, no ABC paulista, em 1979, mas que foi criado na periferia, na zona leste da capital paulistana. Coisa que, mesmo sem sermos oficialmente informados, pode-se apreender da sua produção. Segundo o Guia dos Quadrinhos, sua primeira HQ de maior circulação publicada foi “Cheio de Azul”, na Front #11, de 2002. No ano seguinte ilustrou um roteiro de Edson Aran (“O homem que odiava as mulheres”) para a edição especial Contos Bizarros da revista Super Interessante. Depois, em 2008, publicou a HQ curta “Entre rosas e estrelas” numa edição da antológica revista Graffiti 76% Quadrinhos, de BH.

Antes disso já havia trabalhado em alguns livros infantis como ilustrador: “As descobertas de Paulinho na Metrópole” (2004, textos de Marina Franco); “Aí de ti, Tietê” (com Rogério Andrade Barbosa, 2005); “E assim surgiu o Maracanã” (com Sandra Pina, 2006); “Zagaia” (com Allan Santos da Rosa, de 2007).

noiteluz

Em 2008, reuniu algumas HQs (entre elas a já publicada “Entre rosas e estrelas”) e lançou, pela Via Lettera, seu primeiro álbum, “Noite Luz”. No álbum, seis histórias curtas orbitam o universo da boate Noite Luz: desde a traumatizada garçonete Márcia até Aldair, um catador de recicláveis que rodeia o night club. À primeira vista, as histórias de Noite Luz são independentes, cada uma delas traz um flash, um recorte na vida daqueles personagens, sem maiores ligações entre eles do que o cenário. Mas o trabalho de D’Salete exige mais do que uma “primeira vista”: seu estilo gráfico em preto e branco seco (ao Télio Navega ele revela ter como inspirações Hugo Pratt, Flávio Colin e o – infelizmente – pouco lido no Brasil Alberto Breccia, cuja influência me soa mais evidente), esconde, ou pelo menos dificulta uma absorção mais rasteira e apressada da leitura. É preciso um tempo diferente para ler o trabalho de D’Salete: Noite Luz não é coisa pra se ler no busão, na fila de espera do dentista. Isso porque são pequenos detalhes gráficos que amarram e dão sentido às tramas, e perdê-los é bem fácil. Um exemplo é o flashback que interrompe um diálogo entre Márcia e Jéssica na história título: nada mais do que uma sutil alternância entre o branco e o preto te indicam a presença de uma memória. Assim, um logotipo numa camisa, uma marca no rosto, todos são detalhes importantes demais para serem negligenciados. Noite Luz chega a criar uma certa paranóia no leitor: “Afinal, o que eu deixei passar?”

encruzilhadaEm 2011 D’Salete lançou seu segundo álbum, Encruzilhada. De temática semelhante ao anterior (as populações negras marginalizadas das periferias das grandes cidades), Encruzilhada, em sua nota de impressão ao final do álbum (“Este livro poderia ter sido impresso em qualquer grande cidade no frio inverno de 2011”), deixa claro que, totalmente desterritorializado (até mesmo do micro-território da boate do álbum anterior), o álbum tratará daquilo que é, pra mim, a linha central do trabalho do autor: a violência cotidiana. Assim como Noite Luz, a violência permeia todas as cinco histórias de Encruzilhada. Desde a violência mais naturalizada, do medo de quem não tem muito e por isso o que lhe resta a perder é tudo (“Sonhos”), até a violência absurda, encaixada de forma aleatoriamente perversa (“Encruzilhada”). Isso é maluco no trabalho de D’Salete: olhando-o em conjunto, fica evidente a presença marcante da violência “urbana” (Cumbe justifica o uso das aspas aqui), cotidianizada, feita natural. Tão natural que a gente só sente como violência mesmo quando ela é extrema e termina na morte de alguém, como em “93079482” ou na história título. Mas violência é sempre violência. Mesmo que nós, alheios a ela, já não a percebamos.

cumbeNo ano de 2014, D’Salete rompeu com o cenário urbano e, como fruto de suas pesquisas sobre o Quilombo dos Palmares, lançou Cumbe, pela editora Veneta. Em quatro histórias, o autor deixa de lado as narrativas dos grandes vultos (gente como Zumbi, Domingos Jorge-Velho, Chica da Silva, Chico Rei, etc) para contar como a violência da escravidão do Brasil colonial afetava a negras e negros anônimos. Como sobreviviam (e a que sobreviviam), como resistiam. O estilo labiríntico de Noite Luz está de volta e qualquer detalhe gráfico visto de passagem pode ser grande demais. Ao falar de um tempo que alguns afirmam estar distante já, o que Salete faz aqui é mostrar justamente o contrário: relações humanas violentas não se pacificam na base da canetada. Sendo sua obra vista no conjunto, as chagas da escravidão não ficaram nas senzalas e nos quilombos: estão ainda aí, nas cidades, nas boates, nas encruzilhadas dos centros urbanos.

 

riscoNaquele mesmo ano, Marcelo lançou o (até agora) seu último trabalho, “Risco”, pela editora Cachalote, de Rafael Coutinho. Aqui pela primeira vez D’Salete abandona o esquema de mini-contos para apresentar uma única HQ (apesar de que, com 40 páginas dá mais ou menos o mesmo volume dos contos nos outros álbuns) sobre Doca, um flanelinha/guardador de carros tentando sobreviver numa grande cidade – sobreviver num sentido de “escavador” (como diria Dyonélio Machado), e sobreviver num sentido de não ser morto mesmo. Aqui D’Salete resgata o recurso já utilizado em “Sonhos” de Encruzilhada, que é te dar hipóteses de desdobramentos daquela história. É quase uma brincadeira com aquelas teorias doidas de super-cordas, de que tudo é possível no instante em que é possível.

Aqui abro um pequeno parênteses: um ano antes, em 2013, a mesma Cachalote lançou, pelo selo 1000, “Vizinhos”, da Laerte, que também tem como um dos personagens principais um flanelinha. Mas Laerte e D’Salete se dividem – enquanto Laerte se foca na relação bizarra entre o espaço de um morador e o flanelinha que o penetra, D’Salete veste a lente do flanelinha para mostrar como a cidade percebe essa personagem como um invasor. À partir de uma, você ganha a necessidade de ler a outra!VIZINHOS

E o futuro? Bem, Marcelo D’Salete já contou por aí que desde de 2006 anda pesquisando sobre Palmares, e que o objetivo disso é produzir HQ sobre (Cumbe é um “ganho acidental” dessa pesquisa). Esse será o próximo trabalho? Só o amanhã poderá dizer mas, sendo ou não, ou melhor, sendo o tema que for, a produção de Marcelo D’Salete já vem com crédito: é cofre garantido.

 

 

Para saber mais:

Sobre Poderoso Porco

O mar não tem cabelos. Eu também não.

Além disso, verifique

[A gente lemos] A arte de Charlie Chan Hock Chye

Quando os caras do Pipoca & Nanquim, pessoas hiper legais e apaixonadas pelas histórias em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários