Home / HQ Nacional / E se Daytripper, de Fábio Moon e Gabriel Bá, for um caso de plágio?

E se Daytripper, de Fábio Moon e Gabriel Bá, for um caso de plágio?

Na última GibiCon tomei ciência de uma notícia trazida por um leitor do MdM que me deixou angustiado e tenso. Num resumo: uma HQ curta, publicada originalmente em 2005 e que possuía elementos muito similares com a premiadíssima HQ de Fábio Moon e Gabriel Bá, publicada pela Vertigo em 2010, fazendo com que a segunda fosse um possível plágio da primeira.

A HQ copiada seria “Feliz aniversário, feliz obituário”, de Jefferson Costa (arte) e Rafael de Oliveira (roteiros), e lá mesmo em Curitiba tive acesso à história, num post publicado em 2012 no blog do Quadro a Quadro.

Foi estarrecedor. As semelhanças entre “Feliz obituário…” e “Daytripper” saltam aos olhos. E é a respeito delas que eu vou falar.

Primeiro, se você já leu Daytripper, vá até o link que eu postei acima e leia “Feliz aniversário, feliz obituário”. Vai lá, eu espero.

plágiotripper03

Voltei a BHCity One com a cabeça fervilhando, precisava tirar a prova dessa história. Veja bem: não é porque uma fonte, mesmo que confiável como é o caso do Lucas Pimenta do Quadro a Quadro, diz que algo está num determinado lugar que ele de fato está. O Pimenta poderia ter sido induzido ao erro por alguém que disse que “… Feliz obituário…” foi publicada na Front #16, e não tivesse ido conferir. Publicação de antologia da Via Lettera (durou entre 1999 e 2008, em edições temáticas, fora os especiais), a Front era uma revista cara e um tanto irregular: por isso mesmo, pouco consumida e conhecida. Para se ter uma ideia, pra escrever este post eu procurei a revista com alguns amigos colecionadores hardcore e nem entre eles achei. Por sorte, consegui encontrar a edição 16 nos encalhes de uma livraria aqui da cidade. Como eram temáticas, a edição 16 da Front tratava de morte. E sim: entre as páginas 83 e 94 estava, impressa em preto e branco, “Feliz aniversário, feliz obituário”.

Como eu disse, as semelhanças são inegáveis: dividida em 10 capítulos, Daytripper sempre termina cada um deles com seu protagonista, Brás de Oliva Domingues, morrendo em algum momento da sua vida (a HQ é não-linear). No primeiro capítulo, inclusive, ele morre no dia de seu aniversário. No último quadro de cada capítulo, um pequeno obituário (Brás os escreve/escrevia no jornal) contando de seu falecimento.

Por ser uma história curta, Feliz aniversário, feliz obituário não tem capítulos, mas situações, e ao final de cada uma vemos seu protagonista, Miguel Verdi, morrer. A narrativa é linear e, apesar de morrer no final de uma cena, na seguinte Miguel escapa da morte e segue a vida, apenas para morrer logo mais à frente. A trama se passa no aniversário de Miguel e, após cada morte, um obituário conta de seu falecimento.

plágiotripper04
Miguel Verdi Vs Brás de Oliva Domingues

Se essas semelhanças não fossem incômodas o suficiente, ainda tem algumas mais específicas: filho de um escritor, o protagonista de Daytripper sonha em ser escritor também, e tem em seu nome uma referência a um clássico da literatura – Brás, personagem principal de “Memórias póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis. Por sua vez, Miguel Verdi é músico, assim como Giuseppe Verdi, compositor de óperas como Aida e Nabucco. Tanto Brás de Oliva quanto Miguel Verdi têm como contraponto um amigo negro de cabelo afro (Jorge e Emílio, respectivamente). As duas HQs tratam da efemeridade da vida e a imprevisibilidade da morte. Claro, pesa a diferença de volume entre as obras, o que acaba obrigando Daytripper a ter mais tramas paralelas, mais situações e desdobramentos ficcionais, indo parar em outro lugar. Mas a essência das duas e alguns elementos-chave da execução dessa essência seguem sendo muito, mas muito parecidos mesmo. Na melhor das hipóteses, poderíamos dizer que “… feliz obituário” é uma proto-Daytripper, ou o argumento do que veio a ser Daytripper.

plagiotripper05
Emílio Vs. Jorge

Pode ser um caso de uma bizarríssima coincidência? Pouco provável, mas não impossível. É aí que a coisa ganha detalhes mais complexos: quando fiquei sabendo da notícia, soube também que os autores de “…Feliz obituário” tinham sido alunos do Fábio e do Gabriel num curso da Quanta Academia de Artes em 2004, ocasião em que produziram a HQ e mostraram para ser avaliada pelos gêmeos. Sendo essa informação verdadeira, aí ficaria bem difícil descartar a hipótese de plágio. Era uma informação que precisava ser apurada e, depois de algum corre entre a galera do mundo dos quadrinhos, consegui os contatos do Jefferson e do Rafael. Era hora de tirar as coisas a limpo.

plagiotripper07OBITUÁRIO
Miguel Verdi morre em “Feliz aniversário, feliz obituário”

E veio a confirmação: de fato ambos fizeram um curso na Quanta em 2004, não somente com os gêmeos Bá e Moon, mas também com um grande número de quadrinistas diferentes, como Guazelli, Orlando, Fábio Yabu, Renato Guedes, Ivan Reis, Laerte e alguns outros (confirmei com o pessoal da Quanta: o curso se chamou “Quadrinhos avançado”, durou um ano e tinha aulas semanais, aos sábados). Cada artista ministrava pequenos workshops e os alunos deveriam montar um portfólio a ser apresentado aos professores. Segundo Rafael e Jefferson eles estavam começando a produzir juntos HQs, curtas, para serem publicadas em fanzines. “…feliz obituário” foi uma delas, e entrou pro portfólio do Jefferson, chegando às mãos dos professores do curso – Guazelli, Orlando, Yabu, Renato Guedes, Fábio Moon e Gabriel Bá

Segundo os autores, ainda em 2003 pintou uma sondagem para publicar na Front aquela história, na edição sobre morte – o que veio a acontecer em 2005.

front16

Mas a grande pergunta permanecia: por que, quando Daytripper saiu, os autores de Feliz aniversário, feliz obituário não botaram a boca no trombone? Segundo os próprios autores, medo – medo de serem taxados de aproveitadores, medo de embarcarem numa batalha judicial contra uma megacorporação (a DC/Time-Warner) e as infinitas despesas decorrentes disso. O lance era fazer carreira do zero, sem contar com os méritos de Feliz aniversário, Feliz… Daytripper.

Mas como nada fica muito tempo escondido embaixo do céu e em cima do chão, a história acabou vindo a público.

Caso encerrado? Não mesmo – como diz o Menino Maluquinho, cada lado tem seu lado e eu sou meu próprio lado, então não seria muito justo não ouvir o que os gêmeos Bá e Moon têm a dizer. A versão que eles contam sobre a origem de Daytripper nós já sabemos: que a história veio num banho, imaginando o aglomerado perto de casa e a pergunta: “E se lá der uma zebra e uma bala me acertasse?”. Pronto, “nascia” Daytripper. Mas… será mesmo? Por isso, entrei em contato com eles por e-mail e Twitter, sendo que o primeiro foi respondido pelo Gabriel Bá. A resposta, transcrita abaixo, diz seguinte:

Não lembro de ter visto esta HQ antes, mas fomos procurar e tem algumas semelhanças, essa coisa do personagem morrer, mostrar um obituário, depois continuar a história, depois morre de novo, etc… Podem ter mostrado e eu esqueci, mas não lembro.
 
Gosto muito do Jefferson, ele é muito bom. O Rafael não acompanho tanto assim o trabalho.
 
Mas claro que não tem nada a ver. Eu não levaria a sério.
Além disso, tive a ideia inicial do Daytripper em 2002. 
 
Pra terminar, não é o personagem morrer várias vezes que torna o Daytripper no que ele é.
Atenciosamente,
 
Gabriel

Conforme já me referi antes, não é o fato de o personagem morrer várias vezes que faz Daytripper, mas isso é um detalhe importante na condução da trama. Assim como os obituários (que eu não me lembro de ser um recurso utilizado antes daquela forma nos quadrinhos), o fato do protagonista ser um escritor e ter seu nome remetendo a uma famosa obra literária, ou o amigo negro (com nome de músico negro) pra fazer contraponto. São pequenos detalhes, mas que acabam ganhando corpo e solidez quando são percebidos em duas obras diferentes, com um lapso de cinco anos de publicação entre uma e outra. A situação me soa complexa demais para não ser levada a sério.

Certamente podemos fazer conjecturas em outros sentidos, bastante improváveis, mas não impossíveis: por exemplo e se, invertida a ordem, foram os gêmeos que comentaram sobre o argumento de Daytripper, como um case, no workshop deles na Quanta e isso influenciou, de alguma forma, Rafael e Jefferson? Era uma possibilidade, mas que ambos descartam de partida. Segundo eles, a HQ já estava pronta quando participaram do workshop. O que sim, é um dado subjetivo e difícil de ser comprovado (“já estava pronta antes do curso“), mas que acaba tendo o mesmo (pouco) peso da afirmação do Bá de que a ideia de Daytripper surgiu em 2002. O que acaba tendo mais relevância com certeza são os dados objetivos: cinco anos separam a publicação formal de Feliz aniversário, Feliz Obituário e Daytripper. E num texto de maio de 2004 (“Dia do Julgamento”, aqui) Gabriel Bá não só cita o trabalho de Jefferson Costa como também a vindoura edição sobre morte da Front.

plagiotripper06OBITUÁRIO
E Brás de Oliva Domingues morre em “Daytripper”.

Eu queria muito fechar esse post com uma conclusão do tipo “é plágio” ou “não é plágio”, mas eu acho que nem precisa. São fatos poderosos, sólidos e, dizem, contra fatos não há argumentos. Fica uma sensação péssima, são artistas admirados, cuja produção eu e muita gente acompanhamos com atenção, não sendo o tipo de coisa que se esperaria deles, sobretudo no que tange ao seu trabalho mais elogiado e premiado.

Enfim, aí estão os dados, nobres bacharéis. Conclusões, cada um com a sua…

Sobre Poderoso Porco

O mar não tem cabelos. Eu também não.

Além disso, verifique

Nova hq no Catarse transforma pesadelos em criaturas reais

Em “A Noite Espera”, pesadelos são tornados reais literalmente (ou seria “literaturalmente”?) na forma de …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.