Home / A Gente Lemos / Não li, nem lerei[?] Apanhadão

Não li, nem lerei[?] Apanhadão

Histórias em quadrinhos, romances, bulas de remédio… Um monte de coisa divertida (ou não) cheia de letrinhas e que eu não tive saco de ler até o fim!

 

Rapaz, é um fato. Eu leio muita coisa. É meu segundo hobby favorito, depois daquele de seda com porquinhos alados. Mas também é um fato de que, pra dar andamento numa fila de leitura que já alcança 2,30 metros aproximadamente, é fatal que eu tenha de abandonar algumas coisas nem tão legais assim. Então, nessa nova novidade, o Nem li, nem lerei [?], farei um apanhadão dessas coisas que eu peguei pra ler e larguei pra lá!

arlequina

Arlequina #1, Uma estranha no ninho

O que é: Gibi solo da Arlequina Novos 52, reunindo os volumes de 0 a 8 da edição gringa. Por Jimmy Palmiotti, Amanda Conner e mais uma caralhada de gente.

Por que não rolou? Cara, não sei porque cargas d’água em algum momento eu achei que a deadpoolização da Arlequina N-52 podia render bons frutos. Aí encarei esse encadernado e… Nhé. Ok, o número zero, apesar da óbvia quebra da quarta parede, consegue ser divertido, principalmente em decorrência da alternância de desenhistas. Mas é só. Quando o gibi começa mesmo (na edição #1) dá aquela brochada com todo o exagero mongol metido a non sense. Dormi e larguei pra lá.

 

A_FINA_FLOR_DA_SEDUCAO_1296689769B

A fina flor da sedução, de José Louzeiro (coleção Primeira Página)

O que é: Livro de estreia da coleção Primeira Página, exclusiva de romances policiais, traz o calejado José Louzeiro (autor, entre outras coisas, do roteiro do filme O Homem da Capa Preta), narra a história de um jornalista velha guarda aposentado que se vê às voltas com uma morte misteriosa. 

Por que não rolou? A trama é cheia de uns anglicanismos chatos nos nomes dos personagens, um pastiche de noir besta e raso que não prende nem empolga, parecendo que o Louzeiro fez só por fazer, pra garantir mais alguns tostões no orçamento do mês. Acho inclusive que quebrei a minha lei das 100 páginas e desisti bem antes disso – até porque, se tivesse lido as 100 páginas da lei, teria ido até o fim.

SUPER-HERÓIS NA HISTÓRIA 0

Revista História Viva – Edição especial Grandes Temas: Super-heróis contam a história do século XX

O que é: Exceto por uma coisa aqui e outra ali, uma versão tupiniquim da revista francesa Historia, numa edição especialmente dedicada às origens dos mais novos fenômenos do cinema, ou sejE, os quadrinhos de super-heróis.

Por que não rolou? A superficialidade mata, mate a superficialidade! A revista começa mal quando a primeira matéria, aquela que deveria introduzir as generalidades do assunto que vai ser tratado, desconsidera todo o desenvolvimento da linguagem dos quadrinhos fora dos Estados Unidos, sequer garantindo-lhes uma notinha de rodapé que fosse. Daí acrescenta-se a tradução truncada em alguns momentos e puf… Foi o suficiente para que eu começasse a saltar as matérias. O texto sobre os super-heróis do Islã é vergonhosa de tão irrefletida e o texto do Roberto Guedes sobre super-heróis brasileiros, que mais uma vez usa do tema para dar alguma relevância histórica ao seu insosso Meteoro e a alguns fanzines de super-heróis ABHQ, desconsiderando completamente outras iniciativas menos afeitas à panelinha (como o Necronauta ou mesmo o insistente Solar do Wellington Srbek). Tá na fila pra ir pro sebo.

 

rastreadores_capa

Rastreadores da taça perdida, de Giorgio Cappelli

O que é: Gibi escrito e desenhado por Giogio, lançado ano passado um pouco no aproveitamento do espírito da Copa no Brasil. Conta a história de dois sujeitos, o galã Bovínio Del Toro e o CDF Giovanni Mantovani, que de repente descobrem que a taça do tri, a Jules Rimet, na verdade não foi derretida, mas escondida e partem em sua captura. É o suficiente para que eles se envolvam em altas confusões. Nosso chégas Enéas Ribeiro fez as cores.

Por que não rolou? Em poucas palavras, porque o gibi é chato. O papel é bom, a impressão é boa, mas a história é ruim demais. Tudo é meio infantilóide e forçado demais pra ser minimamente engraçado. Não testei com crianças para ver se elas podem se interessar, porque talvez o problema seja de público alvo. Mas não conheço crianças que curtem futebol e quadrinhos, costuma ser uma coisa ou outra. Ou seja: as que gostam de quadrinhos querem super-heróis e congêneres, e as que gostam de futebol, não tão muito a fim de ler um gibi sobre a taça do mundo que era nossa. Houston, temos um problema!

roteiros-e-criacao-de-personagens

Roteiros e Criação de Personagens, de Primaggio Mantovi

O que é: Livro lançado pela editora Criativo, da série “Aprenda e Faça” sobre (d’oh!) roteiro e criação de personagens. Mantovi trabalhou na RGE e na Abril dos áureos anos, escrevendo e desenhando HQs das editoras.

Por que não rolou? Eu confesso: tenho sérios problemas com juízos de valor declarados e preguiçosos. Foi o que aconteceu aqui. A leitura já não ia das melhores, quando já no começo o Primaggio me solta uma crítica às releituras de velhas histórias (como Branca de Neve, João e Maria, Noé, Van Helsing e outros) como sendo “sensacionalistas” e arremata com o velho argumento pelézístico de “Pensem nas criancinhas”, soltando uma citação genérica para tanto, e pior, “creditada” a um autor anônimo (“É lamentável, mas as crianças de hoje que assistirem a essas ‘releituras’, quando adultas as repassarão para os seus filhos.”)! Ah, tenha a santa paciência!

 

Capa pornopopeia

Pornopopéia, de Reinaldo Moraes

O que é: Romance (tá escrito na capa) sobre um cineasta marginal que espera fazer sucesso com filmes cult, mas cujo dinheiro vem mesmo de vídeos promocionais baratos e uma passada pela indústria pornográfica da Boca do Lixo. Tudo para ser um sucesso, né? 

Por que não rolou? Não rolou mesmo. Segui à risca a lei das 100 páginas, mas o objetivo não declarado (mas explícito) de fazer uma versão modernosa de “Grande Sertão Veredas” (a narrativa que vai-não-vai-volta, os neologismos dixcoladox), dá no saco de qualquer ex-cristão. E olha que a promessa de putaria costuma ser forte suficiente para pra eu me embarcar em furadas mais longas, mas 475 páginas disso aí é muito.

 

zé caipora

As aventuras de Nhô-Quim & Zé Caipora – Os primeiros quadrinhos brasileiros 1869-1883, organizado por Athos Eichler Cardoso

O que é: Publicação do Senado Federal reunindo o trabalho de pesquisa, organização e adequação dos pioneiríssimos quadrinhos de Angelo Agostini nos tempos do Brasil Império. 

Por que não rolou? Cara, esse é um dos abandonos mais tristes de todos. Athos Cardoso fez um puta trabalho de pesquisa, organização e restauração dos primeiros quadrinhos do Brasil, pioneiros também no palco global. Ele gasta um bom tempo explicando, na introdução, todo o trabalho que teve, sobretudo na restauração das pranchas, de modo que ficassem legíveis e publicáveis. Tudo isso para… a Editora do Senado meter uma lombada quadrada cheia de cola que simplesmente impede a leitura dos quadros! Parabéns, capivaras! Vocês se superaram!

 

É isso aí, macacada. Até o próximo (ou não) “Nem li, nem lerei [?]”!

 

Sobre Poderoso Porco

O mar não tem cabelos. Eu também não.

Além disso, verifique

Nova hq no Catarse transforma pesadelos em criaturas reais

Em “A Noite Espera”, pesadelos são tornados reais literalmente (ou seria “literaturalmente”?) na forma de …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.