Home / A Gente Lemos / [A gente lemos] A arte de Charlie Chan Hock Chye

[A gente lemos] A arte de Charlie Chan Hock Chye

Quando os caras do Pipoca & Nanquim, pessoas hiper legais e apaixonadas pelas histórias em quadrinhos, decidiram se tornar uma editora de HQs (e livros também), a chance de que vinha coisa boa por aí era grande.

Ao contrário do que se esperava, os caras não começaram devagar, muito pelo contrário: ao trazerem Esteban Maroto e Wally Wood para o cenário nacional, nossos chégas demonstraram logo de cara ao que vieram – primeiro, trazer autores que, apesar de seu grande reconhecimento, não tinham história sólida de publicação no país e, segundo, apresentar materiais inusitados e de grande qualidade. É o caso de A arte de Charlie Chan Hock Chye, de Sonny Liew.

Sonny é um quadrinista de Singapura (mas nascido na Malásia), e aí a gente já começa se perguntando quantos quadrinhos de Singapura você já leu na sua vida? Até onde sei, A arte de Charlie Chan Hock Chye é o primeiro. E como tal, não poderia começar melhor, já que a graphic novel é a narrativa da história de vida do fictício quadrinista Charlie Chan Hock Chye, com o intuito de contar a história de Singapura, dos movimentos de independência nos anos 1950 até quase o presente.

“Nascido” em 1938 (o ano em que o Superman abalou o mundo), Charlie Chan era o filho mais jovem de uma família dos donos de um pequeno mercadinho de secos e molhados. Com um talento inato para o desenho, e uma verdadeira fixação pelas histórias em quadrinhos, Chan usa de sua habilidade para, na forma de quadrinhos dos mais variados estilos e influências, contar a conturbada história política de Singapura, desde o período como colônia britânica, passando pelos esforços de união com outras nações da península Malaia até a solidificação da República de Singapura.

A arte de Charlie Chan Hock Chye é algo realmente surpreendente. Seja pelo inusitado de sua origem, seja pela forma sui generis com a qual seu autor decide lançar mão para contar a história do país. Sendo Charlie Chan um apaixonado pelas histórias em quadrinhos mundiais, Sonny Liew vai apresentando a produção do fictício Chan ao correr dos anos, sempre em paralelo à conturbada vida política do país. Assim, no início vemos a produção de Chan fortemente calcada no estilo de Osamu Tezuka (é de arrepiar uma das páginas de abertura, na qual Chan diz que: “No princípio, havia Tezuka”, evocando o texto de abertura do Evangelho de João) e depois, paulatinamente, emular um estilo famoso (como Wally Wood, Eisner ou Carl Barks), seja para demonstrar a versatilidade de “Chan”, quanto para assinalar com mais clareza o passar do tempo.

A verdade é que, apesar do álbum supostamente estar interessado na carreira de Charlie Chan Hock Chye, as páginas de rosto do livro (com entrevistas curtas ao ex-primeiro ministro Lee Kuan Yew e o ex-revolucionário Lim Chin Siong) já deixam mais do que claro que toda aquela fábula sobre um talentosíssimo e esquecido quadrinista só tem um objetivo: demonstrar a montanha-russa de sonhos, expectativas, frustrações e novos sonhos de um cidadão comum (mas de olhar mais atento) diante de todo o processo de construção da República de Singapura. Ou seja: o quadrinista Charlie Chan nada mais é do que um bode expiatório para se falar sobre a história do país.

Liew é sagaz ao traduzir toda a incerteza e frustrações na forma de quadrinhos, esboços e percepções de uma testemunha ocular da história. Lendo cada uma das produções “de” Charlie Chan, o que vemos é o desejo evidente de uma vida melhor, uma apreensão crítica de cada movimento, de cada expectativa vivida pelo povo singapurano.

O ponto alto do álbum é, sem sombra de dúvidas, a montagem da edição. Sonny Liew reúne de maneira extremamente habilidosa o que seriam esboços, histórias não publicadas, fotografias e pinturas de Charlie Chan Hock Chye.  A sensação é de se ter em mãos, de fato, um documentário na forma de quadrinhos, mais ou menos como Art Spiegelman fizera em Maus. A grande diferença é que, apesar de toda a verossimilhança do material, de sua organização extremamente orgânica nas páginas do álbum, A arte de Charlie Chan Hock Chye ainda é um mocumentário (mockumentary) sobre uma situação histórica muito real.

 

[ABRINDO UMAS ASPAS] Lançado em 2011, Ovelha Negra: a revista que o Brasil não leu, dos nossos chégas Ricardo Tokumoto (o Ryot) e Daniel Werneck também é um mocumentário sobre uma revista belorizontina de contra-cultura publicada entre os anos 1950 e 1970. Os autores usam os mesmos recursos que Sonny Liew lançará mão em seu “A arte de Charlie Chan…”: desenhos lançados e não lançados, produzidos sob a influência dos mais diversos artistas do mainstream (ou não) dos quadrinhos mundiais, documentos “recuperados”, depoimentos e congêneres para recontar a história de uma revista de quadrinhos que… nunca existiu. Por algum motivo misterioso, “Ovelha Negra: a revista que o Brasil não leu” é um material excelente que, numa ironia triste, acabou pouco lido e conhecido no metiê dos leitores de HQ no país (sim, o fato de ser uma produção independente certamente tem sua influência).

[FECHA AS ASPAS]

 

Pra finalizar, é importante deixar claro que A arte de Charlie Chan Hock Chye é uma graphic novel excelente. A qualidade artística de Sonny Liew, seja no aspecto estilístico (é um desbunde sua capacidade de imitar não só o estilo de artistas consagrados, mas também sua narrativa), seja no design do álbum – simulando papéis velhos, técnicas, materiais… É incrível, um verdadeiro desbunde. Se há algum pecado para apontar na edição (aposto que o Daniel Lopes vai ficar puto comigo), eu assinalaria as notas no fim do álbum. Elas são ricas e extremamente interessantes, principalmente quando lembramos que se trata de um país bastante desconhecido dos brasileiros. O grande problema é que não há, nas páginas da HQ, qualquer sinalização indicando ao leitor que existem notas sobre aquela página. Assim, o leitor acaba tendo duas opções: ou consulta as notas a cada página, para saber se há algo a acrescentar; ou lê as notas todas de uma vez, seja durante a leitura, seja antes ou depois dela. Apesar disso, naturalmente essa crítica não é capaz de tirar o brilho deste belo álbum.

A arte de Charlie Chan Hock Chye, de Sonny Liew. Editora Pipoca & Nanquim, 320 páginas, 2018, R$ 69,90 (paguei R$ 48,90 numa promocha da Amazon).

Nota: 9/10

Sobre Poderoso Porco

O mar não tem cabelos. Eu também não.

Além disso, verifique

Nova hq no Catarse transforma pesadelos em criaturas reais

Em “A Noite Espera”, pesadelos são tornados reais literalmente (ou seria “literaturalmente”?) na forma de …