Home / Games / Top 7,5 Videojogos de 2020

Top 7,5 Videojogos de 2020

SIM

2020 FOI UMA MERDA, E ESSES FILHOS DA PUTA CONTINUAM VIAJANDO E SE AGLOMERANDO E CARALHO VAI TOMAR NO CU! VAI TOMAR NO CUUUUUUUUUUUU!

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Enfim, videogames!

7 – Last of Us: Part II

The last of Us Parte 2 | Análise e detalhes da State of Play - O Megascópio

Eu já falei mal de Last of Us: Part II antes? Sim, incansavelmente.

Eu não gosto que o gameplay é o mesmo por 95% do jogo, até porque a ideia de usar os clickers para atacar os inimigos é tematicamente válida e só é usada em três ocasiões. Não gosto da barriga do jogo, inflada por umas dez batalhas a mais do que o aceitável. Não gosto da Ellie. Posso ficar aqui falando das coisas que não gosto por horas, mas…

Eu também gosto muito de outras coisas. Gosto muito, demais, da Abby. Do Levi. Gostei bastante de jogar os clickers nos outros caras, assim como a parte inicial quasi-mundo-aberto em Seattle. É estranho. Last of Us: Part II é estranho pra mim. Eu entendo todas as decisões de narrativa do jogo, mas acho que concordo com apenas metade delas. Eu vejo onde eles queriam chegar, apenas não concordo.

E toda a história do crunch irresponsável me deixou com um ranço terrível do jogo, mas também concordo que grande parte do hate que Last of Us sofreu vem também de gente idiota que não aguenta progressismo e decide atacar a Laura Bailey no twitter porque não gostaram do personagem da Abby. Portanto, sétimo lugar é o que consegui encontrar, mesmo sendo provavelmente o jogo que mais tenho OPINIÕES de toda essa lista. Infelizmente, é dia 30 de Dezembro e estou cansado de escrever, então vamos ficar com esses parágrafos. E fique feliz por Necrobarista não ter te alcançado, Last of Us.

Abby rainha, Ellie nadinha.

6 – Animal Crossing

Image

Eu provavelmente joguei mais Animal Crossing do que qualquer outro jogo nessa lista, e provavelmente nunca mais vou jogar nenhum Animal Crossing. Tal qual Ashita no Joe, eu queimei como o sol, queimei branco, e sobrou apenas cinzas.

E, claro, nesse processo eu passei por várias fases, catalogadas da seguinte maneira:

  • Uau! Que jogo legal! Olha, posso coletar insetos!
  • Eu quero coletar todos os insetos e todos os peixes! Rapaz, olha a Fauna! Eu daria meu primogênito a ela se me pedissem com carinho!
  • Quer saber? Minha ilha está muito bagunçada. Agora que tenho todas essas ferramentas, vou transformá-la da forma que eu quero!
  • Vou fazer da minha casa a melhor casa possível!
  • Isso é muito mais difícil do que parece, e não tenho todos os itens que queria. Vou ver se conseguirei o item amanhã.
  • Não consegui.
  • Não consegui.
  • Hora de calcular os lucros dos meus nabos!
  • Olha, uma bola de basquete. Tenho uma nova ideia para minha ilha!
  • Tenho agora todos os villagers que queria! Alegria inenarrável!
  • Hm, os villagers realmente não interagem com as coisas que eu fiz, né?
  • Não consegui o item de novo.
  • Desisto da minha casa.
  • Não aguento mais gastar todo esse tempo calculando o lucro dos meus nabos.
  • Esses updates tão demorando, né? Bem, 2020, eles devem estar ocupados.
  • Desisto de fazer o que queria na ilha por hoje, vamos deixar pra amanhã.
  • Não consegui o item de novo COMO É TÃO DIFÍCIL ENCONTRAR ESSA CADEIRA?!
  • Acho que preciso jogar outras coisas.
  • Não aguento mais.

Foi uma experiência que valorizo bastante, especialmente nesse 2020 triste e sombrio, mas tal como Romário, eu devia ter parado enquanto tava tudo bem.

5 – Carrion

Carrion review | Rock Paper Shotgun

Carrion é legal!

E não sei se consigo descrever muito além do que isso!

Quer dizer, vamos lá. Você controla nesse jogo Carrion uma criatura lovecraftiana cujo objetivo é matar e fugir. E isso te deixa numa situação inversa de um filme de terror, porque você é o monstro e todo mundo é apenas comida. Comida que serve para você avançar de nível, trocar suas habilidades por outras e virar uma maçaroca de carne moída que ocupa todo o cenário. Cada nível tem um conjunto de habilidades específicas, e o jogo se consiste em aproveitar cada uma quando for necessário (considerando também que você pode descer um degrau quando toma dano suficiente).

Dito isso, e quero deixar claro porque tive essa dúvida, o jogo não é um metroidvani. Foi bem fácil de me enganar, já que há várias coisas no mapa que você só consegue desbloquear com poderes que irá ganhar no futuro, mas Carrion é bem mais linear do que parece. Cada sala é um desafio que deve ser superado com seu conjunto de habilidades, e se você volta para uma sala antiga é porque o caminho crítico te levou de volta. Há segredos para serem conquistados, claro, mas são meio difíceis de serem reencontrados quando o mapa é inexistente.

De forma geral, Carrion, como dizem as crianças de hoje, é bem batuta. Mais simples do que você acreditaria, mas ainda assim bem batuta.

4 – Fall Guys

Fall Guys Gets MASSIVE Untitled Goose Game Crossover

Esquece o que eu disse lá em cima, a essa hora eu devo ter mais horas de Fall Guys do que Animal Crossing. E por um bom motivo!

2020 foi o ano de jogos sociais, onde você está com seus amigos virtualmente ao invés de localmente, ou pelo menos é assim que eu espero que você esteja agindo, seu babaca do caralho. E Fall Guys é meu favorito de todos eles, especialmente porque ele tem a incrível capacidade de ser divertido por conta própria.

Comparando com os outros, eu tenho muito mais vontade de jogá-lo do que morrer seguidamente em Warzone. Amo as discussões de Among Us, mas o gameplay do Crewmate é tããão insuportavelmente chato que só vejo alegria quando sou um impostor. Fall Guys, por sua vez, é majoritariamente legal. Claro, tem fases bem ruins no meio (duas fases de pegar ovos? Uau, que inteligente!), mas hoje estamos num ponto em que até as fases antigas são frescas devido aos updates. É muito difícil você sair de um show com uma experiência mais negativa do que positiva, muito porque o próprio jogo está evoluindo de forma a tornar tudo mais divertido. Essas atualizações constantes, mesmo tendo demorado a sair da primeira vez, é o que me motivam a continuar jogando todo dia, com o mesmo grupo de amigos e no mesmo horário.

Como diria a skin do ganso, honk honk!

3 – Yakuza: Like a Dragon

Yakuza: Like A Dragon Review – A New Hero Takes His Turn - Game Informer

Yakuza: Like a Dragon é o sétimo jogo principal da série Yakuza, uma série cujo meu único contato foram algumas horas de Yakuza Kiwami e uma sede inexplicável pelo então protagonista, Kiryu Kazuga. Pois bem, Like a Dragon se vendeu como uma nova porta de entrada pra série, trocando seu combate de ação por um RPG, e decidi dar uma chance.

E agora estou amando.

Like a Dragon conta a história de Ichiban Kasuya, um ex-yakuza com o mesmo background do antigo protagonista, mas com um sorriso bobo no rosto e um amor por Dragon Quest que o faz encarar a porradaria ao seu redor como uma batalha por turnos. E é o carisma de Ichiban que vende esse universo, que consegue apresentar ao mesmo tempo macacos pilotando escavadeiras e garotinhas pedindo esmola para a cirurgia do irmão.

É essa habilidade de Yakuza de balancear o bizarro com o sério que me cativa. Ele consegue ser bem dramático, especialmente em suas horas finais (com excelente atuação do ator original de Ichiban, Kazuhiro Nakaya), mas ainda é uma história positiva. Você tem todos os problemas graves e complexos do mundo (um dos grupos vilões é essencialmente um MBL ou um Partido Novo da vida), mas ainda consegue ser positivo, ainda consegue sorrir. É uma pena que o combate no fim das contas seja mais limitado do que parecia ser, mas ainda é um jogo que te absorve por mais de sessenta horas.

2 – Hades

Hades for Nintendo Switch - Nintendo Game Details

Hades é meu roguelike favorito, o que é uma constatação ainda mais pesada quando se relembra que odeio roguelikes.

Roguelikes, para quem não sabe, são jogos onde você recomeça a aventura depois de morrer. Essencialmente, você tem uma chance apenas de zerar o jogo. E é o tipo de coisa que me deixa corroído de ansiedade, mas Hades consegue fazer funcionar integrando suas mortes à história. Você é Zagreu, filho de Hades, e seu objetivo é fugir dos terrenos dos mortos com a ajuda de seus companheiros e dos deuses do olimpo. Por que ele faz isso e como esses personagens interagem com ele? Você só vai descobrir morrendo.

Essa é a graça de Hades, cada tentativa conta. Você descobre mais sobre seu pai, sobre você mesmo, sobre os deuses, os vilões e tudo mais através de suas mortes e o que você faz em vida, e o próprio gameplay faz parte desse ciclo. A maior parte dos recursos do jogo ficam com você após uma derrota, e a personalização de como vai ser sua run, alinhando escolhas próprias e a aleatoriedade dos upgrades espalhados, torna cada investida diferente da outra.

Hades funciona porque todas as suas engrenagens estão em coesão. Os personagens são interessantes, os sistemas são legais, e todos funcionam para manter você tentando. Nenhuma run é desperdiçada, o que sempre te faz querer mais. Se eu fosse um ser sem emoções, seria meu jogo do ano. Contudo…

1 – Final Fantasy VII Remake

Image

Contudo, eu sou uma pessoa emocionada. E, acredite, eu não deveria me sentir assim com o remake de Final Fantasy VII porque nunca joguei o jogo original. De fato, eu ativamente desgostava do que via de FFVII, até finalmente jogar o remake e… agora estou amando Final Fantasy de novo.

Meus sentimentos pelo remake são mais do que a soma de suas partes. Sim, eu gosto bastante do combate, bem ágil e mais preciso que outros jogos da série. Sim, eu gosto da história e dos personagens (Aerith, por favor, não morra). Eu gosto da metalinguagem do jogo e de suas decisões como remake. Só que, acima de tudo, eu tenho experiências com FFVII Remake que foram uma das melhores partes do meu ano.

Eu sempre achei difícil separar minhas emoções da razão ao analisar videogames, livros, filmes, etecétera, e francamente já desisti há muito tempo. Eu consumo mídias pelas emoções que elas me fazem sentir, e por isso que Breath of the Wild é meu jogo favorito, por isso que Gurren Lagann é meu anime favorito. São experiências que me deixaram com memórias excelentes que duram até hoje, e isso é mais importante do que qualquer análise fria que sou incapaz de fazer.

Final Fantasy VII Remake saiu no momento da pandemia em que eu percebi o buraco em que tínhamos nos metido. Não conseguia dormir sem antes ficar uma hora ou mais me debatendo com meus pensamentos. Não conseguia tirar da cabeça o perigo que todo mundo que eu conhecia estava passando. A ansiedade não me permitira respirar direito, o que apenas aumentava a ansiedade. Foi difícil conviver com esses sentimentos, assim como sei que foi para você. E, nesse momento crítico, eu joguei um jogo que me fazia esquecer de tudo isso, que tanto me fazia me importar com personagens de ficção que queria ver mais. E ainda quero ver mais. Eu adorei estar com eles, quero ver onde irá a aventura deles e, mais do que tudo isso, sou grato pelas horas de paz que me deram nos piores momentos desse ano.

Eu gosto de Bloodborne porque me fez distrair em momentos pesados de minha vida. Gosto de Undertale porque ele me lembrou de novo que somos feitos de coisa mais forte do que parecemos ser. Gosto de Breath of the Wild porque me fez ser um garoto que acreditava que videogames eram mágicos de novo. Eu não me importo se Yakuza ou Hades são jogos tecnicamente melhores, ou que talvez eu rejogue FFVII Remake um dia e veja com mais clareza seus problemas, por mais que eu saiba que ele ainda é um jogo objetivamente competente. Eu precisava de Final Fantasy. Assim como tanta gente precisou de tantas outras coisas nesse ano maldito. Pelas experiências escapistas que nos dão uma trégua e tempo para nos recompor.

Tenho excelentes memórias de Final Fantasy VII Remake, momentos que me ajudaram a seguir em frente. É isso que sobra, e é isso que importa.

0,5 – Final Fantasy XII: The Zodiac Age

Assista a 16 minutos de gameplay de Final Fantasy XII: The Zodiac Age

A posição 0,5 dessa lista é dedicada a jogos que não saíram esse ano. E, para entender o quanto esse jogo é importante pra mim, deixe-me contar uma curta história.

Em meados de 2007, eu fui para uma festa na casa de um vizinho e o filho dele me chamou pra jogar Playstation 2. Como eu era um nintendista safado, foi minha oportunidade de jogar coisas que nunca tinha encostado antes. Depois de alguns jogos, ele me deixou jogar Final Fantasy XII por quatro horas. Uma experiência que mudou a minha vida.

Eu adorei o que vi. Adorei o mundo, adorei o combate, e possivelmente Ashe B’Nargin Dalmasca moldou meu gosto por cabelo curto. Infelizmente, eu e esse amigo nunca mais nos vimos. Ele era um tanto recluso, eu tinha vergonha de ir lá só pra jogar o jogo, e nunca mais essa oportunidade apareceu. Fiquei apenas namorando as artes de Final Fantasy XII, comprei Revenant Wings no DS, e parecia ser o fim de meu curto relacionamente.

Contudo, chega 2020 e eu, motivado por Final Fantasy VII Remake, finalmente joguei e zerei o remaster de Final Fantasy XII com altas expectativas construídas nos últimos treze e tantos anos. O resultado?

É TÃO LEGAL!

O mundo de Ivalice é mais denso e diverso do que muitos outros Final Fantasy, e a estética? As inspirações em Star Wars? Ashe B’Nargin Dalmasca?! E zaaz, e zaaz, e aaaah!

Mesmo considerando o Vaan um desperdício de oxigênio e achando vários aspectos dele meio datados pro padrão de hoje (como o board de jobs, uma ideia interessante mas mal implementada mesmo no remaster), eu ainda curti demais. Os personagens, o mundo, o combate que me permitiu descobrir a base dos Final Fantasy que vieram depois, tudo num pacote que era tudo que eu queria e mais um pouco.

Sobre Lojinha

Apenas um evangelizador de One Punch-Man, Gintama, Undertale, Community e Cave Story.

Além disso, verifique

Top 5,5 jogos desconhecidos de NES no Switch Online que você precisa jogar!

Que o serviço Switch Online é uma bosta todo mundo sabe. Porém, eu acho que …