Home / DC / Alan Moore dá uma de MDM e xinga os leitores!

Alan Moore dá uma de MDM e xinga os leitores!

alan-moore-DC_Universe_The_Stories

Toda vez que eu leio uma notícia que começa com “Alan Moore fala sobre…” eu já sei que vou dar muita risada. Às vezes eu acho que o Moore é um Frank Miller às avessas, que ao invés de ter ficado gagá, finge que ficou gagá para falar merda e ver a reação das pessoas.

Dessa vez ele falou sobre o que pensa dos super-heróis atualmente, e de quebra acabou falando mal pra caralho dos leitores de super-herói (mais ou menos como a gente faz aqui com vocês, com a diferença que a gente não tem fama suficiente para repercutir as merdas que falamos, eheuehueheuheuh)

Enfim, curte só o que ele falou para “O The Guardian”:

Eu não leio nenhuma hq de super-heróis desde que terminei Watchmen. Odeio super-heróis. Os considero abominações. Eles não significam o que costumavam significar. Eles estavam originalmente nas mãos de escritores que ativamente expandiam a imaginação da sua audiência de 9 a 13 anos. Era totalmente aquilo para o qual eles foram feitos e faziam isso de forma excelente. Nos dias de hoje, as hqs de super-herói pensam que a audiência é certamente maior que de 9 a 13 anos, não tem nada a ver com eles. É uma audiência amplamente nos seus 30, 40, 50 anos, geralmente homens. Alguém veio com o termo Graphic Novel. Esses loitores se agarraram a isso; eles estava simplesmente interessados numa forma de validar seu constante amor por Lanterna Verde ou Homem-Aranha sem parecer de certa forma emocionalmente subnormais. Isso é um salto significativo da audiência viciado em super-heróis, viciada em mainstream. Eu acho que super-heróis não trazem nada de bom. Acho que é um sinal bem alarmante termos audiências de adultos indo ver o filme dos Vingadores e se deleitando em conceitos e personagens feitos para entreter garotos de 12 anos dos anos 50.

Bem, falando sério agora: Por um lado, eu concordo com o Moore: super-herói são, sim, um conceito infantil. O que realmente eu não consigo entender no argumento dele é por que isso seria depreciativo. Qual o problema de se empolgar com coisas que crianças se empolgam? Por que estas coisas deveriam ficar só no reino das crianças e não ultrapassar o “reino dos adultos”?

Depois de adulto, meu “lado nerd” sempre me pareceu uma vantagem. Hoje, por exemplo, me sinto muito mais sintonizado com os jovens do que com pessoas da minha idade ou mais velhas. Eu também me sinto mais jovem, talvez por que eu ainda esteja fazendo as mesmas coisas que eu fazia quando tinha metade da idade que tenho agora, ao invés de estar fazendo “coisas de adulto”, como…pagar hipoteca e pensão para a ex-mulher.

E, – preparem para o momento arquivo confidencial – me sinto mais feliz hoje em dia do que jamais fui quando criança (onde sequer entendia esse conceito) ou adolescente (quando você está tão ocupado em não ser uma aberração aos olhos dos outros que ser feliz é a menor das preocupações). E digo com segurança que é por que ainda consigo me sentir bem ao ver/ler histórias que são destinadas para garotos de 12 anos.

É verdade que a indústria dos quadrinhos faz o leitor de palhaço – e o leitor sabe disso e continua dando dinheiro para eles. Mas Moore parece estar confundindo o super-herói branding com o super-herói conceito. E, para quem se inspira nas mitologias antigas (também infantis em sua essência) para suas histórias, Moore parece apenas soar hipócrita quando desdenha leitores adultos que continuam lendo super-heróis só por que super-herói são “para crianças”.

Moore provavelmente está certo: fãs de quadrinhos são emocionalmente subnormais de uma certa maneira (os redatores e leitores do MDM que o digam). Mas, se o “emocionalmente normal” do Moore é ver as coisas cinzas e cheias de cinismo e amargura, na boa, prefiro continuar com minha mentalidade de garoto de 12 anos dos anos 50. E feliz.

Sobre Algures

Oi, meu nome é Algures e eu tenho 36 anos (teria se estivesse vivo). Compartilhe esse post com 20 pessoas e minha alma estará sendo salva por você e pelos outros 20 que receberão. Caso não repasse essa postagem, vou visitar-lhe hoje à noite. Dia 15 de Julho, José resolveu rir desse post, uma noite depois ele sumiu sem deixar vestígios. O mesmo aconteceu com Maria dia 18 de Outubro. Não quebre essa corrente, por favor, a não ser que queira sentir a minha presença (atrás de você).

Além disso, verifique

Como adaptar Superman para o cinema

Li sobre um filme do Superman que o Matthew Vaughn queria fazer e fiquei pensando …

924 comentários

  1. “prefiro continuar com minha mentalidade de garoto de 12 anos dos anos 50. E feliz.” punheteiro que nunca comeu ninguém. Tá certo.

  2. “prefiro continuar com minha mentalidade de garoto de 12 anos dos anos 50. E feliz.” punheteiro que nunca comeu ninguém. Tá certo.

  3. “ao invés de estar fazendo “coisas de adulto”, como…pagar hipoteca e pensão para a ex-mulher.”

    Fica tranquilo, você nunca vai pagar pensão pra mulher alguma, relaxa!

  4. “ao invés de estar fazendo “coisas de adulto”, como…pagar hipoteca e pensão para a ex-mulher.”

    Fica tranquilo, você nunca vai pagar pensão pra mulher alguma, relaxa!

  5. O cast dessa semana tem que começar com essa música:


  6. Este post foi relevante até a frase: “Depois de adulto, meu “lado nerd” sempre me pareceu uma vantagem.”

  7. Este post foi relevante até a frase: “Depois de adulto, meu “lado nerd” sempre me pareceu uma vantagem.”

  8. É impressão minha ou os comentários do MDM estão se resumindo a 500 posts de 5 ou 6 pessoas?

  9. É impressão minha ou os comentários do MDM estão se resumindo a 500 posts de 5 ou 6 pessoas?

  10. Resumo do post: Algures em crise de meia-idade.

  11. Resumo do post: Algures em crise de meia-idade.

  12. “O The Guardian”…

  13. Raziel, justiça sejE feita!

    “O The Guardian”…

  14. Algures, eu até hoje, sinto falta da minha infancia, era uma epoca bem mais feliz, eu era pobre mas era feliz, brincava bastante, ficava sempre doido no inicio do ano vendo a globo anunciando os filmes que “passariam” no ano, a unica preocupação era em passar no final do ano, ja quanto a adolescência concordo com voce, pra mim, é a pior fase na vida, a gente é cheio de coisas, tem medo de passar vergonha, medo de falar com a garota que gosta, sem dinheiro pra poder sair com a turma, já não pode mas brincar de policia e ladrão por que não é mais criança, e nem pode fazer algumas coisas porque ainda é de menor, pra mim, a vida de adulto é um saco, hoje faço coisas que queria fazer quando criança, compro coisas de nerds, no trabalho fizemos o sorteio do amigo secreto, como sou patrão todo mundo fica com medo de me tirar, mas elas mesmo falam “quem tirou o chefe é só dar um brinquedo ou “revistinha”. Em resumo, crianças, curtam bem sua infancia, adolescentes, se fodam pois é um saco, e adultos, se querem ser felizes voltem a ter mente de criança, pois Jesus falou “quem quer entrar no reino dos céus, sejam como as crianças”….. não sapão, não é comer crianças, mas sim, “ser” como as crianças

  15. Peixe-Gato:Pet do Nerd Reverso

    Resumindo: Super-Heróis não agregam valor!

  16. Algures, eu até hoje, sinto falta da minha infancia, era uma epoca bem mais feliz, eu era pobre mas era feliz, brincava bastante, ficava sempre doido no inicio do ano vendo a globo anunciando os filmes que “passariam” no ano, a unica preocupação era em passar no final do ano, ja quanto a adolescência concordo com voce, pra mim, é a pior fase na vida, a gente é cheio de coisas, tem medo de passar vergonha, medo de falar com a garota que gosta, sem dinheiro pra poder sair com a turma, já não pode mas brincar de policia e ladrão por que não é mais criança, e nem pode fazer algumas coisas porque ainda é de menor, pra mim, a vida de adulto é um saco, hoje faço coisas que queria fazer quando criança, compro coisas de nerds, no trabalho fizemos o sorteio do amigo secreto, como sou patrão todo mundo fica com medo de me tirar, mas elas mesmo falam “quem tirou o chefe é só dar um brinquedo ou “revistinha”. Em resumo, crianças, curtam bem sua infancia, adolescentes, se fodam pois é um saco, e adultos, se querem ser felizes voltem a ter mente de criança, pois Jesus falou “quem quer entrar no reino dos céus, sejam como as crianças”….. não sapão, não é comer crianças, mas sim, “ser” como as crianças

  17. Peixe-Gato:Pet do Nerd Reverso

    Resumindo: Super-Heróis não agregam valor!

  18. Concordo em grande parte com o velhote. Não consigo mais ler super-heróis há muitos anos. Soa tudo muito falso e sem-sentido nenhum pra mim.

    Mas não concordo com o fato de que seria preciso “mentalidade de criança” pra curtir isso. Muita gente ainda bate pelada, monta modelos de veículos, coleciona selos, etc. etc. sem desmerecer o que a idade reserva para elas.

    Não acho que devo nada à indústria de quadrinhos, portanto, se não consigo ler mais estas revistas é porque deixaram de ser interessantes pra mim. Salvo raras exceções, como alguns trabalhos publicados fora desse dito “mainstream”.

  19. Concordo em grande parte com o velhote. Não consigo mais ler super-heróis há muitos anos. Soa tudo muito falso e sem-sentido nenhum pra mim.

    Mas não concordo com o fato de que seria preciso “mentalidade de criança” pra curtir isso. Muita gente ainda bate pelada, monta modelos de veículos, coleciona selos, etc. etc. sem desmerecer o que a idade reserva para elas.

    Não acho que devo nada à indústria de quadrinhos, portanto, se não consigo ler mais estas revistas é porque deixaram de ser interessantes pra mim. Salvo raras exceções, como alguns trabalhos publicados fora desse dito “mainstream”.

  20. Porra Moore, quem criou o conceito de Novela Gráfica foi o Will Eisner, o papa dos quadrinhos!!! mais respeito, cumpadi!

    Agora que o povo deturpou como fazem com tudo no meio do quadrinho, isto sim!

    Opinião de bosta: acho que quadrinhos podem ser pra varias idades e o próprio Moore, fez muito quadrinho pra adulto, uma criança não consegue acompanhar com eficiência suas obras… Acho que hoje existe de de fato uma aberração ao praticamente só existir quadrinhos de aventuras juvenis no Japão (e a bosta da turma da Monica Jovem), diferente de sua proposta original com Fantasma, e Superman, contudo, é natural que as coisas mudem, mas falta quadrinhos mais voltados a este publico com estes personagem fantasiados e fantasiosos.

    O arquétipo do herói é muito eficiente pra passar uma ideia ou valores e cabe em diversas camadas da sociedade, mas o que se faz hoje na industria hoje (quer dizer, sempre que a demanda foi maio do que a criação autoral e se teve que encomendar volume de criação independente de sua qualidade) é ter volume em prol do retorno em vez de priorizar uma mensagem e um trabalho autoral. Mas o publico parece não se importar.

    Quanto a menção do tamanho do sucesso dos Vingadores entre adultos, é simples, é um escapismo e uma volta a infância de quem é acostumado a este material e uma descoberta de um publico novo que não foi apresentado a ele. Ele tem seu valor, o próprio Moore dublou uma passagem em Os Simpsons onde ele elogiava o gibi da Luluzinha (claro que era uma sátira), onde ele deixa claro este sentimento de nostalgia e diversão descompromissada… o problema é quando nego (DC) quer tornar isto em algo relevante demais, muito mais do que certas obras deveriam ser.

    mas opinião é igual cu, cada um tem o seu e dá se quiser, e ninguém precisa aceitar… eu só dou opinião, o cu já tem muito MDM e leitor por ai dando!

  21. Porra Moore, quem criou o conceito de Novela Gráfica foi o Will Eisner, o papa dos quadrinhos!!! mais respeito, cumpadi!

    Agora que o povo deturpou como fazem com tudo no meio do quadrinho, isto sim!

    Opinião de bosta: acho que quadrinhos podem ser pra varias idades e o próprio Moore, fez muito quadrinho pra adulto, uma criança não consegue acompanhar com eficiência suas obras… Acho que hoje existe de de fato uma aberração ao praticamente só existir quadrinhos de aventuras juvenis no Japão (e a bosta da turma da Monica Jovem), diferente de sua proposta original com Fantasma, e Superman, contudo, é natural que as coisas mudem, mas falta quadrinhos mais voltados a este publico com estes personagem fantasiados e fantasiosos.

    O arquétipo do herói é muito eficiente pra passar uma ideia ou valores e cabe em diversas camadas da sociedade, mas o que se faz hoje na industria hoje (quer dizer, sempre que a demanda foi maio do que a criação autoral e se teve que encomendar volume de criação independente de sua qualidade) é ter volume em prol do retorno em vez de priorizar uma mensagem e um trabalho autoral. Mas o publico parece não se importar.

    Quanto a menção do tamanho do sucesso dos Vingadores entre adultos, é simples, é um escapismo e uma volta a infância de quem é acostumado a este material e uma descoberta de um publico novo que não foi apresentado a ele. Ele tem seu valor, o próprio Moore dublou uma passagem em Os Simpsons onde ele elogiava o gibi da Luluzinha (claro que era uma sátira), onde ele deixa claro este sentimento de nostalgia e diversão descompromissada… o problema é quando nego (DC) quer tornar isto em algo relevante demais, muito mais do que certas obras deveriam ser.

    mas opinião é igual cu, cada um tem o seu e dá se quiser, e ninguém precisa aceitar… eu só dou opinião, o cu já tem muito MDM e leitor por ai dando!

  22. Sem querer você respondeu sua pergunta, Algures: “Hoje, por exemplo, me sinto muito mais sintonizado com os jovens do que com pessoas da minha idade ou mais velhas. Eu também me sinto mais jovem, talvez por que eu ainda esteja fazendo as mesmas coisas que eu fazia quando tinha metade da idade que tenho agora, ao invés de estar fazendo “coisas de adulto”. EU CONCORDO 200% COM O MOORE! Os homens insistem em ser meninos, em ficar perdendo tempo com super heróis que são SIM coisa de criança. Crescer envolve sim “ver as coisas cinzas e cheias de cinismo e amargura”, pois é assim que a vida é. A diferença é que um homem feito não se pauta por essa visão realística da vida, ele enxerga as coisas assim, claro, mas usa tais elementos para fazer diferença em sua vida, na da família e nos filhos, sabe lidar com elas e as utiliza para crescer mentalmente, como homem.

    Poucos homens “nerds” acima dos 30 se preocupam em amadurecer, em assumir o papel de homem, em evoluir, em se preparar para se tornar uma pessoa sábia e que ensine os mais jovens com seu exemplo de vida. Homens que assumem o papel de pai, de marido, de profissional respeitado, que assumem as responsabilidades inerentes a um homem adulto, assim como os problemas, sem ficar fugindo para um mundo de colantes coloridos. Mas infelizmente tais responsabilidade de “adulto” são vistas como bobagens, como desperdício, como coisas que se deve fugir. Aí se tornam idiotas, infantiloides que não merecem respeito.

    Por isso eu fico desgraçado da minha cabeça quando vejo homens adultos discutindo o novo uniforme do Homem-Aranha ou o novo conceito que um escritor deu ao personagem.

    • Cara… não é pq você lê super heróis depois dos 30 que obrigatoriamente você não assumiu seu papel de homem ou mesmo não é uma pessoa sábia e por ler quadrinhos não poderá ensinar os mais jovens com seus exemplos de vida. Acho que hobby todo mundo tem que ter, qual a diferença de 2 caras de 30 anos discutindo o conceito do uniforme do homem aranha e 2 caras nas mesmas condições discutindo a contratação do Junior pé de moleque para o cruzeiro ?

    • Peixe-Gato:Pet do Nerd Reverso

      Ô criatura…eu só queria lembrar que esse é um site sobre HQs em sua essência!Então…OQUE DIABOS VOCÊ TÁ FAZENDO AQUI????

    • Blz cara… vou parar de discutir sobre supers e vou pro bar no fim de semana discutir sobre futebol. alguma diferença? não.

      • não mesmo!

      • Nenhuma e esse é meu ponto.

      • Ele quer que você fique reclamando dos seus problemas de adulto… Tipo aluguel, educação dos filhos, envelhecimento, contas pra pagar e adultos que não assumem responsabilidades.

        • Aí já tá rolando aquela visão reducionista maneira que é padrão do brasileiro. O que quero dizer é que você não deveria dar tanta importância para essas coisas de uma forma além do que elas são: entretenimento barato que deveria durar algum tempo de diversão. Só isso 🙂

          • Mas se ele dá atenção demasiada à isso é porque ele tem um outro tipo de problema, não porque ele não cresceu.

          • Primeiro de tudo: meu Reino do Amanhã custou 90 reais, portanto não é entretenimento barato.

            Além do mais, eu tenho direito a dar “tanta importância” ao o que eu quiser, afinal isso é uma questão de gosto. Você está basicamente denegrindo a arte como um todo, como se o ser-humano fosse feito apenas pra sobreviver.
            Meu amigo (que usa o avatar de uma série de televisão) nós não fomos feitos pra sobreviver, fomos feitos pra viver. Ser pessimista é geralmente confundido com ser realista, coisa que nunca será!

            Você é que está dando uma visão reducionista sobre o tema, querendo dizer que quadrinhos não influenciaram a nossa cultura como um todo, ou mesmo a nossa vida individualmente.
            Você é que está dando uma visão reducionista, como se todas as HQs fossem para um público infantil, ignorando as próprias obras feitas pelo Alan Moore. Está limitando os quadrinhos a um “gênero”, sendo que o certo é que ele é uma “mídia”.
            Você é que está dando uma visão reducionista, mesmo sobre uma obra infantil. Como se ela fosse menos merecedora de apreço que algo considerado “adulto”. Serei eu um retardado por continuar amando o Studio Ghibli depois de tantos anos, e não ter me rendido a meras conversas de futebol aos finais de semana, enquanto volto para a uma vida sem propósito? Sem graça? Sem vida?

            Esse “entretenimento barato que deveria durar algum tempo de diversão” já estava aí antes de você nascer e vai ficar depois que você morrer. Leia um pouco mais 🙂

          • Bom, antes de mais nada eu não generalizei. Fui muito claro sobre o tipo de pessoa a quem estava me referindo. Também não falei de quadrinhos como um todo, mas tentarei me explicar melhor.
            Há coisas muito mais interessantes que super-heróis. Por exemplo: filosofia, história, política, sociologia, antropologia, teologia e diversas outras coisas que não sejam futebol ou diretamente ligada a qualquer entretenimento puro e simples. Mas essas outras informações, não tão divertidas, porém preciosas, demandam tempo e estudo para compreender e trazer satisfação, demoram para que se tornem de fato um prazer. Então, se você acha digno continuar utilizando seu tempo para ser um apreciador de fantásticos seres super poderosos, sem problema algum! Claro que toda pessoa tem direito ao entretenimento e não é disso que este velho chato está falando, mas de “ficar apenas nisso”, de gastar seu tempo e lazer apenas nestas coisas, entende?
            E veja, como comentei no início do texto, nem eu nem o Allan Moore estamos falando das HQs como um todo, mas exclusivamente sobre as de super-heróis (no caso dele acredito que ainda coloque o adendo “norte-americanos”).
            Há arte de primeira qualidade em diversas HQs, como as da Liga Extraordinária do próprio autor.
            Mas adultos que gastam seu tempo e dinheiro apenas nisso, que não amadurecem e/ou se preparam para a vida, que não procuram se desenvolver intelectualmente, que “evitam” a todo custo o tal “mundo adulto”, destes eu sinto pena.

      • isso se chama vida social.

      • Tem diferença sim, não enxerga quem não quer.

    • Acho que discutir um personagem é um bom exercício, agora ficar lamentando que se sente contrariado porque mexeu com seu personagem favorito, que ele morreu e blá, blá, blá, é postura infantil… mas isto todos tem em alguma coisa, não importa a idade delas em algum momento reclamamos de algo irrelevante em nossas vidas, agora que tem gente que se especializa nisto, huhahahahaha!

      Sobre a vida ser cinza e tals, eu achava a vida muito mais cinzenta e triste quando criança, por um motivo simples, estava perdido no meio de um meio que não me sentia confortável, hoje a vida é bela porque sei distinguir o que é relevante pra mim, me adapto e resolvo os “problemas”, a vida tá ótima, melhor do que eu imaginava que poderia ser. Ser adulto é fantástico!

      Converso com pessoas de todas as idades, mas sempre gostei de falar com gente mais velha, pois elas passam experiencias que podem agregar a vida (todos podem em potencial), e me sinto bem em qualquer grupo tendo um assunto interessante em volta! Não que eu seja uma pessoa de sair fazendo amizades por ai… longe disto!

      • E assim você faz parte da tal “minoria nerd” que comentei. Não disse que são TODOS como descrevi, há muitos que encaram isso como diversão pura e simples, que, na minha humilde e pretensiosa opinião, é o que elas são.

        • sim, sim, pra mim isto ficou sempre muito claro, não me senti incluído em momento algum, na verdade não é só uma minoria nerd, é uma minoria humana, pessoas que procuram se melhorar, em expandir sua consciência e ter a capacidade de julgar as opções que a vida dá em vez de ficar se fazendo de vítima se suas próprias escolhas ruins.

          • Pois é, muitos não conseguem desenvolver esse equilíbrio.

          • nossa sociedade não se interessa em ter cidadãos conscientes, afinal, como teríamos mão de obra barata e obediente e consumidores alienados?

          • Pe. Slag do casamento Mari-Dox

            Pronto, começou o papinho de comunistinha de faculdade.
            Vai dar pro Corto, vai, Rene. Ele sim é real, ao menos.

    • Eike_Padrinho do Casório

      pois é. isso é assunto pra discutir na boa sem estourar o absorvente, como se tivessem comendo a sua bunda e não a do bátema.

    • Jon não, Dr. Manhattan

      “Por isso eu fico desgraçado da minha cabeça quando vejo homens adultos
      discutindo o novo uniforme do Homem-Aranha ou o novo conceito que um
      escritor deu ao personagem.”

      Pior é fazer um podcast sobre isso. Rrrrrrraatinhooo

    • Cara, que viagem…

    • Discordo, acho que independente de amadurecer e se tornar um homem, você sempre terá seus hobbies, Agora se acha que não vale discutir sobre seus hobbies, é hora de rever os mesmos.

    • Toma o meu upvote Mr White.

      E pra não perder costume: Dá pra ele então.

    • Walter SuperPadrinho Mari-Dox

      Resumindo essa bíblia que você escreveu: o Algures precisa crescer e parar de sair na rua com a camiseta do Robin porque não pega bem!

  23. Sem querer você respondeu sua pergunta, Algures: “Hoje, por exemplo, me sinto muito mais sintonizado com os jovens do que com pessoas da minha idade ou mais velhas. Eu também me sinto mais jovem, talvez por que eu ainda esteja fazendo as mesmas coisas que eu fazia quando tinha metade da idade que tenho agora, ao invés de estar fazendo “coisas de adulto”. EU CONCORDO 200% COM O MOORE! Os homens insistem em ser meninos, em ficar perdendo tempo com super heróis que são SIM coisa de criança. Crescer envolve sim “ver as coisas cinzas e cheias de cinismo e amargura”, pois é assim que a vida é. A diferença é que um homem feito não se pauta por essa visão realística da vida, ele enxerga as coisas assim, claro, mas usa tais elementos para fazer diferença em sua vida, na da família e nos filhos, sabe lidar com elas e as utiliza para crescer mentalmente, como homem.

    Poucos homens “nerds” acima dos 30 se preocupam em amadurecer, em assumir o papel de homem, em evoluir, em se preparar para se tornar uma pessoa sábia e que ensine os mais jovens com seu exemplo de vida. Homens que assumem o papel de pai, de marido, de profissional respeitado, que assumem as responsabilidades inerentes a um homem adulto, assim como os problemas, sem ficar fugindo para um mundo de colantes coloridos. Mas infelizmente tais responsabilidade de “adulto” são vistas como bobagens, como desperdício, como coisas que se deve fugir. Aí se tornam idiotas, infantiloides que não merecem respeito.

    Por isso eu fico desgraçado da minha cabeça quando vejo homens adultos discutindo o novo uniforme do Homem-Aranha ou o novo conceito que um escritor deu ao personagem.

    • Cara… não é pq você lê super heróis depois dos 30 que obrigatoriamente você não assumiu seu papel de homem ou mesmo não é uma pessoa sábia e por ler quadrinhos não poderá ensinar os mais jovens com seus exemplos de vida. Acho que hobby todo mundo tem que ter, qual a diferença de 2 caras de 30 anos discutindo o conceito do uniforme do homem aranha e 2 caras nas mesmas condições discutindo a contratação do Junior pé de moleque para o cruzeiro ?

    • Peixe-Gato:Pet do Nerd Reverso

      Ô criatura…eu só queria lembrar que esse é um site sobre HQs em sua essência!Então…OQUE DIABOS VOCÊ TÁ FAZENDO AQUI????

    • Blz cara… vou parar de discutir sobre supers e vou pro bar no fim de semana discutir sobre futebol. alguma diferença? não.

      • não mesmo!

      • Nenhuma e esse é meu ponto.

      • Ele quer que você fique reclamando dos seus problemas de adulto… Tipo aluguel, educação dos filhos, envelhecimento, contas pra pagar e adultos que não assumem responsabilidades.

        • Aí já tá rolando aquela visão reducionista maneira que é padrão do brasileiro. O que quero dizer é que você não deveria dar tanta importância para essas coisas de uma forma além do que elas são: entretenimento barato que deveria durar algum tempo de diversão. Só isso 🙂

          • Mas se ele dá atenção demasiada à isso é porque ele tem um outro tipo de problema, não porque ele não cresceu.

          • Primeiro de tudo: meu Reino do Amanhã custou 90 reais, portanto não é entretenimento barato.

            Além do mais, eu tenho direito a dar “tanta importância” ao o que eu quiser, afinal isso é uma questão de gosto. Você está basicamente denegrindo a arte como um todo, como se o ser-humano fosse feito apenas pra sobreviver.
            Meu amigo (que usa o avatar de uma série de televisão) nós não fomos feitos pra sobreviver, fomos feitos pra viver. Ser pessimista é geralmente confundido com ser realista, coisa que nunca será!

            Você é que está dando uma visão reducionista sobre o tema, querendo dizer que quadrinhos não influenciaram a nossa cultura como um todo, ou mesmo a nossa vida individualmente.
            Você é que está dando uma visão reducionista, como se todas as HQs fossem para um público infantil, ignorando as próprias obras feitas pelo Alan Moore. Está limitando os quadrinhos a um “gênero”, sendo que o certo é que ele é uma “mídia”.
            Você é que está dando uma visão reducionista, mesmo sobre uma obra infantil. Como se ela fosse menos merecedora de apreço que algo considerado “adulto”. Serei eu um retardado por continuar amando o Studio Ghibli depois de tantos anos, e não ter me rendido a meras conversas de futebol aos finais de semana, enquanto volto para a uma vida sem propósito? Sem graça? Sem vida?

            Esse “entretenimento barato que deveria durar algum tempo de diversão” já estava aí antes de você nascer e vai ficar depois que você morrer. Leia um pouco mais 🙂

          • Bom, antes de mais nada eu não generalizei. Fui muito claro sobre o tipo de pessoa a quem estava me referindo. Também não falei de quadrinhos como um todo, mas tentarei me explicar melhor.
            Há coisas muito mais interessantes que super-heróis. Por exemplo: filosofia, história, política, sociologia, antropologia, teologia e diversas outras coisas que não sejam futebol ou diretamente ligada a qualquer entretenimento puro e simples. Mas essas outras informações, não tão divertidas, porém preciosas, demandam tempo e estudo para compreender e trazer satisfação, demoram para que se tornem de fato um prazer. Então, se você acha digno continuar utilizando seu tempo para ser um apreciador de fantásticos seres super poderosos, sem problema algum! Claro que toda pessoa tem direito ao entretenimento e não é disso que este velho chato está falando, mas de “ficar apenas nisso”, de gastar seu tempo e lazer apenas nestas coisas, entende?
            E veja, como comentei no início do texto, nem eu nem o Allan Moore estamos falando das HQs como um todo, mas exclusivamente sobre as de super-heróis (no caso dele acredito que ainda coloque o adendo “norte-americanos”).
            Há arte de primeira qualidade em diversas HQs, como as da Liga Extraordinária do próprio autor.
            Mas adultos que gastam seu tempo e dinheiro apenas nisso, que não amadurecem e/ou se preparam para a vida, que não procuram se desenvolver intelectualmente, que “evitam” a todo custo o tal “mundo adulto”, destes eu sinto pena.

      • isso se chama vida social.

      • Tem diferença sim, não enxerga quem não quer.

    • Acho que discutir um personagem é um bom exercício, agora ficar lamentando que se sente contrariado porque mexeu com seu personagem favorito, que ele morreu e blá, blá, blá, é postura infantil… mas isto todos tem em alguma coisa, não importa a idade delas em algum momento reclamamos de algo irrelevante em nossas vidas, agora que tem gente que se especializa nisto, huhahahahaha!

      Sobre a vida ser cinza e tals, eu achava a vida muito mais cinzenta e triste quando criança, por um motivo simples, estava perdido no meio de um meio que não me sentia confortável, hoje a vida é bela porque sei distinguir o que é relevante pra mim, me adapto e resolvo os “problemas”, a vida tá ótima, melhor do que eu imaginava que poderia ser. Ser adulto é fantástico!

      Converso com pessoas de todas as idades, mas sempre gostei de falar com gente mais velha, pois elas passam experiencias que podem agregar a vida (todos podem em potencial), e me sinto bem em qualquer grupo tendo um assunto interessante em volta! Não que eu seja uma pessoa de sair fazendo amizades por ai… longe disto!

      • E assim você faz parte da tal “minoria nerd” que comentei. Não disse que são TODOS como descrevi, há muitos que encaram isso como diversão pura e simples, que, na minha humilde e pretensiosa opinião, é o que elas são.

        • sim, sim, pra mim isto ficou sempre muito claro, não me senti incluído em momento algum, na verdade não é só uma minoria nerd, é uma minoria humana, pessoas que procuram se melhorar, em expandir sua consciência e ter a capacidade de julgar as opções que a vida dá em vez de ficar se fazendo de vítima se suas próprias escolhas ruins.

    • pois é. isso é assunto pra discutir na boa sem estourar o absorvente, como se tivessem comendo a sua bunda e não a do bátema.

    • Bulma com Hostgator no mamilo

      “Por isso eu fico desgraçado da minha cabeça quando vejo homens adultos
      discutindo o novo uniforme do Homem-Aranha ou o novo conceito que um
      escritor deu ao personagem.”

      Pior é fazer um podcast sobre isso. Rrrrrrraatinhooo

    • Cara, que viagem…

    • Discordo, acho que independente de amadurecer e se tornar um homem, você sempre terá seus hobbies, Agora se acha que não vale discutir sobre seus hobbies, é hora de rever os mesmos.

    • Toma o meu upvote Mr White.

      E pra não perder costume: Dá pra ele então.

    • Resumindo essa bíblia que você escreveu: o Algures precisa crescer e parar de sair na rua com a camiseta do Robin porque não pega bem!

  24. Peixe-Gato:Pet do Nerd Reverso

    O Moore tem razão! Heróis são coisa de criança! Por isso, ADEUS MDM! ADEUS PAPAI REVERSO! Vou ler o G1 que é mais adulto e produtivo!

  25. Vinícius Tomaz Ferreira

    Algures, acho que você, como o Change, ERRA!
    O que ele quis dizer é: “As indústrias tentam pegar um conceito de algo feito pra crianças e ADAPTAR para pessoas mais velhas”. Não sei se é ruim isso , mas é ruim o lance de ter muita grana envolvida , que acaba pervertendo a história.
    De verdade, eu acho que não é ruim ler hqs de super-heróis, mas é ruim só ler essas…

  26. Peixe-Gato:Pet do Nerd Reverso

    O Moore tem razão! Heróis são coisa de criança! Por isso, ADEUS MDM! ADEUS PAPAI REVERSO! Vou ler o G1 que é mais adulto e produtivo!

  27. Vinícius Tomaz Ferreira

    Algures, acho que você, como o Change, ERRA!
    O que ele quis dizer é: “As indústrias tentam pegar um conceito de algo feito pra crianças e ADAPTAR para pessoas mais velhas”. Não sei se é ruim isso , mas é ruim o lance de ter muita grana envolvida , que acaba pervertendo a história.
    De verdade, eu acho que não é ruim ler hqs de super-heróis, mas é ruim só ler essas…

  28. Nos dias de hoje, as hqs de super-herói pensam que a audiência é certamente maior que de 9 a 13 anos, não tem nada a ver com eles. É uma audiência amplamente nos seus 30, 40, 50 anos, geralmente homens.

    Um tapa na cara dos velhacos que compram HQs.

    • Nem acho que seja disso que ele tá reclamando, e sim do velhaco que usa histórias pseudo-adultas como um subterfúgio pra continuar comprando HQs.

      Exemplo: qualquer um que já leu uma Marvel Max do Wolverine sabe que aquilo é uma porcaria, um história infantilóide com peitinhos e sangue. Mas o cara compra essa merda e dá a desculpa de quê “é para um público maduro” e mimimi.

  29. Nos dias de hoje, as hqs de super-herói pensam que a audiência é certamente maior que de 9 a 13 anos, não tem nada a ver com eles. É uma audiência amplamente nos seus 30, 40, 50 anos, geralmente homens.

    Um tapa na cara dos velhacos que compram HQs, isso podia até virar tema de podcast.

    • Nem acho que seja disso que ele tá reclamando, e sim do velhaco que usa histórias pseudo-adultas como um subterfúgio pra continuar comprando HQs.

      Exemplo: qualquer um que já leu uma Marvel Max do Wolverine sabe que aquilo é uma porcaria, um história infantilóide com peitinhos e sangue. Mas o cara compra essa merda e dá a desculpa de quê “é para um público maduro” e mimimi.

  30. VOCÊS TEM DOZE ANOS, VOCÊS TEM DOZE ANOS

  31. Moore tá certo até quando tá errado.

  32. VOCÊS TEM DOZE ANOS, VOCÊS TEM DOZE ANOS

  33. Moore tá certo até quando tá errado.