Home / Netflix / AGENTE VIMOS: LOVE

AGENTE VIMOS: LOVE

maxresdefault

Nerd certinho, tímido e retraído encontra garota problemática, impulsiva e bonita… E, em um cenário que parecia impossível, os dois se encontram e se apaixonam. Eles conseguem superar suas diferenças e terminam o filme / série juntos para sempre.

Onde você já viu uma sinopse parecida?

960
500-days

eternal-sunshine-of-the-spotless-mind-in-the-woods
bleeker-and-j
Peter-and-MJ-peter-parker-and-mary-jane-watson-32768800-954-519

Em toda comédia romântica legalzinha dos últimos tempos, né?

Enfim, é uma dinâmica comum. E funciona, pois geralmente segue uma das máximas ditas aqui no MdM: “se bem executado, pode dar certo”.

Mas e quando esse casal é formado por personagens tão humanos – e tão falhos – como eu e você?

Assim começamos LOVE, que estreou mês passado no Netflix, mas que eu só soube que existia há pouco tempo, quando meus amigos começavam a falar da série no Facebook – aquela rede social que você usa pra reclamar do mundo e se sentir bem consigo mesmo por ter feito isso.

No primeiro episódio conhecemos Gus, interpretado por Paul Rust (co-criador da série), terminando com a sua namorada (tomando um pé na bunda, pra ser mais exato). Gus é um “professor de atores mirins” nos sets de um grande estúdio e é apontado pela moça como um “falso bonzinho” – que finge estar pensando no bem de todo mundo, mas que é bem egocêntrico. Também conhecemos Mickey, produtora de um programa de rádio e uma mulher que está em um relacionamento vai-e-volta com um cara bem mais velho, que ainda mora com a mãe, mas que não consegue se soltar dele.

LOVE mostra a história de como esses dois aí vão se encontrar.

4738

Judd Apatow, criador da série (e criador também de filmes como Virgem de 40 Anos) nos dá uma comedia romântica deliciosa que tangencia um caminho bem sombrio ao longo de seus 10 poucos episódios. Por lado sombrio, digo o lado que quase nunca aparece nessas comedias românticas: egoísmo, narcisismo, vício e tudo mais que vai aparecendo após a magia dos primeiros encontros.

Depois dos primeiros episódios, a série vira para um caminho completamente diferente: e seus protagonistas, Gus e Mickey, se tornam pessoas detestáveis e odiáveis mas, ao mesmo tempo, ainda adoráveis um para o outro – e pra gente também, os telespectadores.

LOVE é mais uma boa aposta da Netflix.
É uma comedia romântica, mas que fala sobre um romance mais tangível e menos mágico.

Menos SITCOM e mais honesto.
Mais doloroso, mas não menos amoroso… Como todos os nossos relacionamentos (exceto o seu relacionamento com a sua mão direita, que é sempre prazeroso)

Nota 8

Sobre Change

"Sabe outra coisa impossível? Um gorila montado no capitão América. Não sei pq achei essa imagem na internet, mas é sensacional"

Além disso, verifique

“Era uma questão de tempo, verdade seja dita”

Para a surpresa de ninguém, o Deadline anunciou ontem que Justiceiro e Jessica Jones, as …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.