Home / Cinema / O estranho caso do Robocop do Padilha

O estranho caso do Robocop do Padilha

robopad2

Pois é, nerdaiada maldita… Como sabem José Padilha topou uma tarefa difícil no cinemão americano, o cabra foi fazer um remake de um crááássico do massavéio oitentista que tem uma legião de fãs, Robocop

Com a tarimba de ter filmes que exploram muito bem a violência urbana mesclando com uma boa dose de discurso social, o diretor parecia uma saída óbvia pra uma nova versão do filme, mesmo que hoje ele tivesse que enfrentar o fantasma do PG13, ou seja, fazer o novo Robocop sen um dos grandes pilares que o sustentaram no seu grande sucesso original, a violência explícita!

Pois bem, o diretor meteu as caras e o filme foi lançado nos EUA, aqui no Brasil só na sexta-feira, e aí começa o estranho caso do Robocop do Padilha…

Quando começaram a sair as primeiras resenhas dos filmes, em sites de entretenimento e cultura pop, a grande maioria taxou o filme como mediano, que tinha algumas coisas legais, mas que ainda era um produto muito aquém do original, apesar de não o taxarem como um filme ruim.

Mas quando os sites de cinema e os críticos mais acadêmicos começaram a falar do filme, muitos elogios foram vistos, disseram que o filme era corajoso, que não só atualizou mas também aprofundou as discussões éticas e políticas e que o novo Robocop não era só mais um blockbuster de ação, que tinha conteúdo.

Mas parece que o público não comprou muito essa ideia de ver um filme com mais conteúdo e críticas político-sociais e menos balaços, perfurações e sangueira voando… que também é legal, mas que por si só não sustenta um filme sozinho.

Robocop teve um orçamento de 130 mijones de doletas, arrecadou cerca de 96 mijones de bilheteria no resto do mundo, mas a bilheteria dentro dos EUA (que é a que eles usam pra medir o nível de sucesso de uma produção) foi modestíssima, o filme fez míseros 22 mijones de doletas nos cinemas americanos nesse fim de semana, perdendo pra filmes como Lego (que já está no seu SEGUNDO final de semana de exibição) e a modesta comédia romântica About Last Night.

O que eu acho? É, acho que todo mundo já imaginava que esse filme não iria ser um grande sucesso mesmo, os últimos remakes desses cráásssicos todos também deram uma minguada, e isso, querendo ou não acaba puxando pra baixo a bilheteria dos novos filmes… As pessoas acaba achando que é “mais um remake merda” e desanimam de ir ver o filme.

Somado a isso as primeiras críticas voltadas pros nerds que ficaram o tempo todo comparando o filme do Padilha com o original, sem fazer a menor força pra tentar ver ali uma nova proposta de filme (como a critica especializada fez)…

Sobre Hell

O Hell, este que vos fala.

Além disso, verifique

A Gente Vimos: Mortal Kombat (2021)

Sim, eu vi o filme do Mortal Kombat. E sinceramente, nem sei como começar essa …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.