Home / DC / Quem o Bátema pensa que é? Deus?

Quem o Bátema pensa que é? Deus?

(com essa caralhada de MdM’s dos Grandes Lagos ocupando espaço, é melhor mostrar serviço pra manter a minha cadeira, né?)

Pois bem, deu no CBM: o Dia do Gibi di Grátis trouxe uma paradinha que deixou a geral bolada: a Morcega vai virar um novo deus? Surge Batron?

f0V4iKa

O lance é o seguinte: tô acompanhando a DC não, mas o Snyder e o Capullo fizeram o Batman cometer o sacrifício supremo ao final do arco Endgame – provavelmente passando dessa pra melhor (hum… onde eu já vi isso?). Mas ao mesmo tempo tá rolando a peleja contra o Darkseid e o Antimonitor na Liga da Justiça. Pois então, o que o Free Comicbook Day trouxe foi o Bátema sentado na Cadeira Mobius, que caso você não saiba o que é, trata-se da cadeira do novo deus Metron.

E o narrador dizendo que “viu nascer um novo deus”, para logo abaixo Batman dizer, a alguém chamado Jordan (óh! quem será?) que ele agora sabe tudo. O que, aliado às linhazinhas a lá TRON Legacy, dão a entender que sim, Bruce Wayne é o novo Metron.

HfolZFG

Cara, e aí? Velho, se esse trem não for transitório, meramente parte dessa história e fim… Fico pensando que acaba sendo uma faca de dois gumes: por um lado, evolui um personagem de primeiro escalão, dando um andamento razoável à “vida” dele, convertendo um sujeito que sempre teve como principal recurso ser um “banco de dados” – de técnicas, de recursos, de pontos fracos, etc – no “banco de dados” supremo do DCU. É o tipo de coisa que tem grandes chances, por incrível que pareça, de agradar aos leitores velhacos, muitas vezes cansados do mais do mesmo de todos os meses. Entretanto, é também uma mudança radical demais, forte o suficiente para afastar novos leitores, que perdem as referências de entrada.

Ao mesmo tempo, são mudanças de status quo tão radicais (James Gordon como Bat-robô, Bruce Wayne Metron, Superman badboy-de-camiseta-moto-e-fazendo-curva-segurando-no-poste) que provavelmente têm o objetivo de deixar bem claro MESMO que a parada no DCU pós-Convergence é a velha máxima do Tim Maia: “tudo é tudo e nada é nada”, o catálogo da editora passa a ser um monte de elseworlds, fazendo com que aquele DC You seja mesmo o UDC que cada leitor quer.

Por mim, que advogo há anos que as majors deveriam jogar a cronologia pras picas, pode ser o começo de um novo tempo. Ou não , muito pelo contrário.

 

Sobre Poderoso Porco

O mar não tem cabelos. Eu também não.

Além disso, verifique

Nova hq no Catarse transforma pesadelos em criaturas reais

Em “A Noite Espera”, pesadelos são tornados reais literalmente (ou seria “literaturalmente”?) na forma de …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.