Home / Nerd Show / Nerd Show: Eder Pegoraro

Nerd Show: Eder Pegoraro


Fala, galera! Hoje quem está assumindo o Nerd Show sou eu, Gama Blog, e estou aqui com um convidado muito especial. Seu nome é Eder Pegoraro, o Mr. Blisterman do site Galeria dos Brinquedos, um fera na arte de colecionar bonecos. Vamos à entrevista!
GB: Eder, primeiramente bem-vindo ao Nerd Show! Você poderia começar com aquele resuminho básico sobre sua pessoa, sua experiência na arte de colecionar bonecos etc.?
EP: Olá! É um prazer poder responder suas perguntas, obrigado pelo convite! Bom, tenho 33 anos, sou músico por profissão, mas sempre curti desde muito pequeno quadrinhos de Super-Heróis e coisas ligadas aos mesmos, como as action figures, é claro, mas quando comecei a colecionar o pessoal ainda chamavam os mesmos de bonequinhos. Comecei a colecionar figuras de ação em 1993 e não parei mais. Minha coleção é formada basicamente por figuras de ação articuladas e figuras estáticas (sem articulações) de super-heróis dos quadrinhos Marvel e DC, mas também tenho algumas figuras e itens relacionados a personagens clássicos dos quadrinhos que adoro (Fantasma, Tarzan, Zorro, etc.), heróis de outras editoras (Spawn, Wildcats, Ultraforce), personagens de filmes (O Corvo, O Predador, Star Wars, Senhor dos Anéis, etc.), heróis clássicos do Japão (Família Ultraman, Spectreman, Robô Gigante, Vingadores do Espaço, Godzilla, etc.) e desenhos animados (Gi-Joe, Transformers, He-Man, Thundercats, etc.). Entrei para o grupo Galeria dos Brinquedos por indicação de um amigo e membro do grupo. Hoje compartilho com amigos do grupo meu hobby e gosto de escrever artigos para o site, aonde aprendo muito mais com outros membros do que ensino.
GB: Muitas pessoas adoram bonecos, mas não conseguem começar uma coleção devido aos preços elevados dos mesmos. Qual sua opinião sobre esse atual mercado? Você consegue pensar em algum “porquê” da produção nacional, que já lançara, nos anos 80, coleções de vanguarda como Guerras Secretas e Super Powers, não estar produzindo mais nada e estar apenas importando?
EP: Hoje, embora tenham lojas que exploram os colecionadores com preços altos, há redes de lojas de brinquedos com preços acessíveis e que na maioria das vezes vendem parcelado. Aconselho a quem quer começar a colecionar que pesquise bastante antes de comprar. Procurem o melhor preço e a melhor forma de pagamento, tenham cuidado com os Scalpers (para entender o que são Scalpers vejam o artigo no site Galeria dos Brinquedos que fala do assunto). Nos anos 90, no início do Plano Real, com a abertura da importação no Brasil, tornou-se mais barato importar uma figura pronta do que manufaturá-la aqui. Com isso, diversas fábricas daqui fecharam suas portas e a maioria optou pela importação. Isso se mantém até os dias de hoje, pois reestruturar uma fábrica para a produção aqui ainda acarreta um custo maior que a importação. Mas acredito que a produção de figuras mais simples e figuras estáticas seriam totalmente viáveis; há certamente um mercado para esse segmento. Falta boa vontade, investimento e visão de mercado por parte de nossos fabricantes. Alguns ainda têm linhas de produção; é só uma questão de adaptação e coragem. Afinal, pior que as cópias feitas no Paraguai não podem ficar, e por uma questão de custo e renda percápita hoje muitos pais optam por essas cópias piratas. Fazendo figuras com menos articulações acarretariam em moldes mais baratos e, conseqüentemente, um preço final melhor; é só questão de escolher bem os personagens. Figuras estáticas seriam mais viáveis ainda.
GB: O que você está achando da qualidade e detalhamento dos bonecos hoje em dia?
EP: São indiscutivelmente superiores às figuras produzidas anos atrás, mas em alguns casos acho que o excesso de articulações prejudica a anatomia e o equilíbrio das figuras, como em alguns casos da coleção Marvel Legends. O acabamento na pintura das figuras dessa coleção também é falho. Acho que a medida ideal de articulações está nas figuras da coleção DC Direct; o acabamento dessa coleção é muito superior. Essa é realmente uma coleção direcionada ao público colecionador nos EUA. Lamentavelmente, não são importados por nenhum fabricante brasileiro até o momento. Já as figuras atuais da McFarlane Toys praticamente não têm mais articulações, são estatuetas. O acabamento e a escultura são primorosos, mas, ao meu ver, fogem do conceito de figura de ação. Segundo os representantes da McFarlane Toys, a ação agora está nas poses das figuras, mas não concordo com esse argumento; para mim agora são estátuas e não action figures.
GB: A seu ver, qual o boneco (ou coleção) mais raro de se obter hoje em dia?
EP: Eu acho que a figura mais rara que conheço é um boneco estático do Namor, o príncipe submarino, produzido no Brasil em 1968 pela Atma, para uma promoção dos postos de gasolina Shell. Trata-se de uma figura promocional, produzida exclusivamente no Brasil. Digamos que o colecionismo desse segmento no Brasil é algo relativamente recente. Não havia no Brasil uma preocupação de preservar esse tipo de produto antigamente, afinal não havia colecionadores. Hoje é diferente. A coleção da Atma era uma cópia licenciada de uma coleção idêntica lançada nos Eua pela Marx Toys na mesma época. Todos os personagens da coleção Marx foram reproduzidos pela Atma com exceção de um, o Demolidor. Acredito que, pelo personagem não ser tão popular no Brasil na época e também por não ter seu desenho animado, a Atma optou por não lançá-lo. Em seu lugar foi feito o Namor. Alguns colecionadores dizem que a figura do Namor teria sido esculpida usando como base a figura de um troféu de natação. De qualquer forma, por ser uma figura antiga e exclusiva do Brasil, pode tratar-se da mais rara figura de um herói dos quadrinhos. Mas essa é minha opinião.
GB: O Galeria dos Brinquedos está iniciando uma campanha de conscientização dos colecionadores contra os Scalpers. Como é um conceito relativamente novo, poderia explicar aos nossos leitores quem são os Scalpers, de que forma atuam e como podemos estar denunciando (e boicotando) essa “raça maldita”, para que outras pessoas não caiam em suas graças?
EP: Para um esclarecimento mais completo do assunto eu recomendo a todos que leiam o artigo na Galeria dos Brinquedos. Basicamente, nós rotulamos de Scalpers os vendedores e lojas que cobram preços abusivos por figuras raras e muito procuradas. Essa verdadeira “raça maldita” costuma pagar preços justos e às vezes até baixos em determinadas peças, mas abusam demais na margem de lucro se aproveitando da ingenuidade ou impaciência de alguns colecionadores. Ao meu ver, a única forma de combater essa prática é “NÃO COMPRANDO” desses atravessadores. Mesmo que você tenha o dinheiro sobrando e queira muito determinada figura ou peça, se o preço estiver acima da média de itens similares ou da mesma coleção, não compre. Se comprar, você só estará incentivando essa prática e amanhã a vítima poderá ser você. Se não comprar, os scalpers só terão uma saída para vender, abaixar os preços para poder vendê-los. Recomendo a todos colecionadores identificar os vendedores, lojas e sites que cometem essa prática e divulgá-los entre todos os demais colecionadores com os quais tenham contato, propor um pacto de honra de não comprar desses vendedores enquanto os mesmos não mudarem sua política de preços. É a única saída e beneficiará a todos os colecionadores.
GB: Eder, você além de colecionador e pesquisador de bonecos, é um músico por profissão. Fale um pouquinho sobre esse seu lado e como os mais interessados por música podem estar acompanhando seu trabalho.
EP: Agradeço a oportunidade de divulgar meu trabalho pessoal. Atualmente eu sou o vocalista de uma banda de Soul Music chamada Soulfine. Para conhecer um pouco da banda visitem o site:
http://www.soulfine.cjb.net/
Na banda eu uso o nome artístico de Eder Davis. Davis é o primeiro nome de meu irmão do meio, uma homenagem a ele que sempre me apoiou.
Na verdade cada um tem seu jeito de colecionar. Tenho um amigo que brinca comigo dizendo que minha coleção é meio Frankenstein, pois é composta de diversas figuras de muitas coleções. Na verdade não me importo. Eu procuro comprar só as figuras de que eu gosto, não sou do tipo de colecionador que compra todas as figuras de uma determinada coleção, mesmo as que não interessam, só para dizer que “eu tenho todas as figuras dessa coleção”. Eu aconselho para quem quer começar a colecionar que seja seletivo na escolha, pegue as figuras de personagens de que realmente gosta. Não se deixe levar pela opinião dos outros; a coleção é sua, portanto ela deve satisfazer unicamente a você. Tenha cautela com os scalpers, não tenha pressa, seja qualitativo em sua coleção e não meramente quantitativo. Quando você menos esperar, já terá uma coleção invejável. A primeira regra para mim para ser um bom colecionador é “tenha paciência”. Existem itens difíceis, existem itens muito difíceis, mas não existem itens impossíveis de conseguir. Saiba esperar a melhor oportunidade que cedo ou tarde ela aparece.
Show de bola, esse foi o Eder Pegoraro! Não deixem de conferir seus artigos e notícias no Galeria dos Brinquedos, um site para lá de sensacional para quem é alucinando por bonecos e afins (tipo eu). 🙂

Sobre Nerd Reverso

O que esse cara ainda tá fazendo aí? VAI EMBORA DO AMÉRICA!!!

Além disso, verifique

Podcast MdM #574: Final Fantasy 7 + RPG + MdMs nas salas de bate-papo UOL

No podcast a galera do MdM games recebe Rafael Quina, do Jogabilidade, para falarem por …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.