Home / A Gente Lemos / A gente lemos: Piteco – Ingá, por Poderoso Porco

A gente lemos: Piteco – Ingá, por Poderoso Porco

No FiQ de 2011, o corintiano roxo Sidney Gusman anunciou o lançamento do arrojado projeto de graphic novels estreladas por personagens da Maurício de Sousa Produções e saindo pelas mãos de autores de quadrinho consagrados, em visões bem pessoais.

Danilo Beyruth (Necronauta, Bando de Dois), Vitor e Lu Cafaggi (Valente, Mix Tape), Gustavo Duarte (Có, Táxi) e… Shiko. Quem? Sei lá. Um tal de Shiko aí.

Confesso: a parceria personagem/autor desta última graphic foi a quem menos me atraiu de princípio. Nunca achei o pré-histórico personagem grandes coisas e Shiko… Pombas, o Shiko era o Nerd Reverso (quem?) dos autores da primeira leva de graphics!

Neste último FIQ, eu conheci a figura por trás do nome. Fui lembrado que existe uma diferença imensa entre não ser visto e não existir. A Café Espacial, a Graffiti 76% Quadrinhos, o PNBE, o Festival de Quadrinhos de Lyon, o HQMix, todos eles conheciam o Shiko. Só o jegue aqui que não.

pitecoingacapa

Fui conhecer agora. Um autor desconhecido, um personagem não muito querido. Juntos, resultaram numa HQ… DEMAIS DE DUCACETE!

Em Ingá, o povo de Piteco, os Lem, precisa se mudar. O rio que lhes dá sustento está secando, não vai durar muito. Ao mesmo tempo, a xamã do povo, Thuga, é sequestrada por membros dos terríveis Homens-Tigre. Enquanto o povo migra, Piteco, Beleléu e Ogra saem para resgatar a xamã. A trama segue em torno disso, mas traz muito mais. Shiko criou um background com mais nuances totalmente novas para Piteco e sua turma: ele não é simplesmente um homem das cavernas a la Flintstones – ao amarrar a trama de Piteco ao Brasil, à Paraíba, ao plantar na história do personagem pontos da nossa história, Shiko criou um personagem único. Piteco não é um Fred Flintstone ou Barney Rubble genérico, caricaturalmente fugindo de um amor pré-histórico: o Piteco do Shiko é um proto-brasileiro, o primeiro Homo Brasilianus da História!

Isso tudo constrói uma trama de aventura das mais honestas e nostálgicas – “Ingá” é praticamente uma aventura de RPG fantástico – o caçador, a guerreira e o engenhoqueiro atrás da xamã, enfrentando e contando com a colaboração dos deuses pelo caminho. Ganhando XP e evoluindo com o percurso. Sim, porque, ainda que relutante, o Piteco que termina a aventura é bem diferente daquele que a começou.

1374763_528820527186472_98508487_n

A arte, pombas, a arte! Não tivesse uma história sensacional, Ingá já valia só pela arte. O Shiko demonstra um domínio medonho do design e da narrativa: há uma identidade postural para cada um dos povos, de modo que, à despeito dos apetrechos, da forma de ornamentação, você percebe que membros do povo de Lem, de Ur ou Homens-Tigre são diferentes, tem posturas diferentes. Sem contar que é tudo feito em aquarela, o que resulta em páginas lindas, cheias de detalhes e que exigem uma contemplação mais dedicada do leitor. Visualmente, a pré-história dele é muito mais uma África sub-saariana antes da colonização do que algo remotíssimo, incompreensível como estamos acostumados.

(sem contar que eu achei do cacete a referência visual do design do xamã dos Homens-tigre com o vilão que mais me deu cagaço nos anos 80, Mola Ram, o xamã de Indiana Jones e o Templo da Perdição. Se foi intencional ou não, ficou foda do mesmo jeito)

Piteco-Inga-4Out2013-01

Bem, não sei se ficou claro, mas eu gostei pra caralho de Piteco – Ingá. Se antes eu não conseguia me decidir sobre qual graphic eu mais gostava (por motivos diferentes, Laços e Magnetar estavam empatadas) Ingá tomou a dianteira, é minha favorita. Um tanto pelo conteúdo, mas um tanto mais por ter sido uma gratíssima surpresa. Em todos os sentidos!

Piteco – Ingá, de Shiko. Graphic MSP, editora Panini, 80 páginas, R$19,90 (capa cartonada) e R$29,90 (capa dura).

Nota: 10 (sim, não errei. É dez mesmo!)

P.S.: E Shiko, tô ainda na captura daquele seu filme com mulheres e porcos, hein? Libera o Lavagem aí, Daniel Lopes!
Piteco-Inga

Sobre Poderoso Porco

O mar não tem cabelos. Eu também não.

Além disso, verifique

Nova hq no Catarse transforma pesadelos em criaturas reais

Em “A Noite Espera”, pesadelos são tornados reais literalmente (ou seria “literaturalmente”?) na forma de …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.