Home / Cinema / A falta de diversidade e a garoteada do Singer

A falta de diversidade e a garoteada do Singer

Olha só, nerdaiada amaldiçoada… Estava vendo o Bleeding Cool, e me deparei com outro artigo de lá falando sobre a notória falta de diversidade (racial, sexual, de gênero) nessa nova onda de filmes de heróis…

Os cabras falavam sobre o fato de apesar de termos personagens negros nos filmes (como no novo Capitão América), e alguns serem fodões e terem uma grande importância dentro do universo estabelecido (como o Nick Fury, que manda na porra toda), ainda assim tais personagens não são os protagonistas, se limitando a pequenas aparições ou então no ingrato papel de “ajudante” do herói.

capfal

Também criticou o fato da Marvel não apostar num filme encabeçado por uma personagem feminina e que a Viúva Negra levou nada menos que QUATRO filmes até realmente ganhar destaque num filme… Citou os subaproveitamentos de Scarlett Johanson nos filmes do Homem de Ferro e que apesar da atriz ter um enorme número de fãs e a personagem ter um grande apelo nas HQs, o estúdio peca pela falta de ousadia, preferindo apenas inserir a atriz dentro de filmes com personagens masculinos protagonistas.

viuv

Quando o assunto é representatividade sexual, aí que a coisa piora… A comunidade LGBT não tem qualquer tipo de representatividade dentro desse universo heroico, o artigo cita o aparecimento da personagem Victoria Hand na série Agents of SHIELD, que é lésbica nas HQs, e que era interpretada pela atriz (lésbica assumida e ativista pelos direitos homossexuais) Saffron Burrows, parecia que o universo Marvel transmidiático iria parar de se eximir dessa questão, mas Vistoria Hand morreu na série sem fazer qualquer menção à sua sexualidade.

vichand

Qual foi o motivo de se escalar uma atriz que tem um histórico ligado às questões LGBT para interpretar uma personagem lésbica então?

Voltando a questão de falta de ousadia, o artigo cita ainda o fato de termos dois Mercúrios no cinema, um nos filmes da Marvel e outro no novo filme dos X-Men, a explicação da FOX foi que a história do filme carecia de um velocista, e que eles não sabiam da intenção da Marvel de usar o mesmo personagem, criando assim esse estranho imbróglio.

quic

Pois bem, se a questão era simplesmente ter um velocista na história, e como já dito que esse Pietro não terá ligações com o Magneto, por que então o diretor Bryan Singer (que também é homossexual assumido e também ativista pelos direitos gays, como Ian McKellen) simplesmente não aproveitou o ensejo para inserir no filme uma representação LGBT colocando o ESTRELA POLAR como o velocista do filme?

north

Era uma ótima oportunidade, tudo casaria perfeitamente, até mesmo o background de “ex esportista” que o Mercúrio do filme tem… Sem falar que o Estrela Polar, apesar de nunca ter sido um personagem principal nas HQs está marcado na história como o primeiro personagem assumidamente gay a ser introduzido nas HQs da Marvel, Bryan Singer garoteou nessa!

O que eu acho? Vejo muita gente reclamando dessa cobrança pela representatividade das minorias estarem nos filmes e HQs, colocando isso como se fosse uma “imposição do politicamente correto” ou hipocrisia, mas lhes digo que a questão vai muito além disso.

Em tempos de maior liberdade comportamental é extremamente necessário que esse tipo de coisa seja retratado nas artes (cinema, novelas, livros, HQs) simplesmente porque é uma REALIDADE, e como essas mídias retratam um mundo fictício espelhado na nossa realidade, é claro que esses grupos devem ser retratados.

Hipocrisia é simplesmente deixar de mostrá-los, uma atitude covarde que tem raízes no conservadorismo preconceituoso que tenta esconder esses aspectos ou taxá-los de “antinatural” com argumentos e medos infundados de que esse tipo de representatividade é nociva pra sociedade (como se as pessoas passassem a ter menos valor social por serem gays, negras, mulheres, gordos, baixos, carecas…)

Perpetuar esse tipo de pensamento ou simplesmente concordar com essa ideia de “ditadura do politicamente correto” é dar suporte pra que esse tipo de atitude que segrega pessoas, seja pelo seu sexo, cor, sexualidade, aparência continue existindo.

Sobre Hell

O Hell, este que vos fala.

Além disso, verifique

Podcast MdM #496: Trailers e cenas exclusivas da CCXP e colegas de trabalho que fedem

No podcast de hoje Hell, Julia, Lojinha, Change, Felipe 5 Horas e Nasic comentam os …

602 comentários

  1. ah não, de novo isso? Porra, FODA-SE o politicamente correto

  2. Rodney "Dundee" Meneghell

    Deveriam se profissionalizar se espelhando na formação atual do MDM.

  3. Podegoso, saia da conta do Hell!

  4. O que eu acho? Menos romance e mais ação! Aí todos os personagens serão assexuados.

  5. O sujo falando do mal lavado…
    E quando é que o MDM deixará de lado o conservadorismo preconceituoso e vai parar de esconder esses aspectos dentro do próprio blog, hein?

    Ratinhos à parte, belo post.

  6. pois é. E nesse sentido o papel do Falcão no filme novo do Capitas me decepcionou muito, ainda mais com todos os elogios que vinha recebendo. O único desenvolvimento que o personagem ganha é que ele é um soldado que perdeu alguém na guerra – todo o desenvolvimento dele é em torno da figura do Capitas. Quando os dois finalmente interagem, o Falcão é um cachorrinho do Capitas, faz o que o Capitas manda (essa é inclusive uma porra de uma fala do personagem no filme), fica falando ganchos de piadinha pro Capitas completar que nem um Robicha dos anos 60…

    Tudo que eu sei sobre o papel do Falcão nas HQs em termos de comentário social eu aprendi ouvindo o MDM, então não sei se deveria esperar isso. O fato é que achei a caracterização e relação do personagem com o Capitas muito ruim, o que a princípio independe dele ser negro ou não. Mas que é uma chance perdida é.

  7. De novo essa discussão de merda. Tanto faz se é preto, branco ou viado o que importa é se o filme vai ser bom.

  8. Mas afinal, esse povo quer ver filme de herói ou novela da globo? Filme de heroi é ação, diverção, existem dezenhas de filmes de dramas, romances, que falam de questões étnicas, sociais, sexuais, etc, etc, quem ta reclamando que vá ver esse tipo de filme! Quando eu vou ver um filme de herói quero me divertir, não ficar pensando na vida.

    • É, é filme de diverSão.

    • Acontece que na sua visão de diversão sempre tem lá um casalzinho hétero e branco. Assim fica fácil não ligar pra mais nada, né? Você já está se vendo representado ali.

      • Eu sou negro e não tenho essa “necessidade vitimística” de exigir que haja um personagem negro pra que eu me sinta representado.

        Eu não sou só a cor da minha pele, porra!

        • Ok, eu falo o que vejo: a pessoa que diz que não vê necessidade de haver personagens gays, negros ou outra minoria como personagem principal geralmente é hétero e branca e não sabe, pois nunca precisou, se colocar no lugar do outro.

          • O que me irrita são esses grupos de ativistas de minorias (que acham que me representam) achando que as pessoas têm que ter pena de mim ou que eu devo ter um destaque forçado em qualquer coisa por causa da minha cor de pele, vou te dizer que eu me sinto mais vítima de racismo com frescuras como essa. Porra, negro não é coitado. Eu venho de família pobre, no entanto, estudei, hoje sou formado em Engenharia de Produção e exerço minha profissão com louvor, entrei na faculdade pelo sistema de cotas, ok. Mas a nota que eu tinha tirado no vestibular tornaria facilmente dispensável a existência deste.

            Dizer que eu só posso ser representado pela cor da minha pele pra mim é um exemplo de racismo. Assim como dizer que um homossexual só pode ser representado pela sua sexualidade me soa como homofobia, pois nos reduz a meros rótulos de cor e sexualidade, como se não tivéssemos outras qualidades e defeitos.

            O Peter é branco. No entanto, ele foi criado como um Nerd pega-ninguém e sofria Bullying na escola, assim como eu, e eu ME identifico com o personagem, mesmo ele sendo branco, ora porra.

          • Tá bom, ora porra.

    • Vou responder aqui porque no seu outro comment não consigo. Seguinte:

      O cara não vai sair dizendo “oi, sou gay”, mas sim estará flertando com outro cara, e aí conclui-se isso, qual o problema ? Tipo o flerte entre Tony Stark e a Peppers. O que se aplica nesse caso é que no herói está implícito ele ser hétero, logo , se ele for homo é preciso evidenciar sim, levantar a discussão sim, pois cabe sim ele ser gay ou não. Então o cara gay não pode ser herói? pode ser o que? Vilão?

  9. Será que o MDM gay é aquele que tb é ativista? Ihhhhhhhhhhhhh

  10. A DC fez um filme com personagem feminina protagonista, Mulher Gato.

    Pena que foi uma merda de causar vergonha alheia

  11. Teste de BechHell.

  12. O certo é etnias, opções sexuais e inomináveis serem inseridos naturalmente no filme, senão fica aquela coisa forçada e tosca que soa até ofensiva. O texto me passa uma idéia cotista do kct.

  13. E nego chorando porque querem botar só tocha humana negro,coloca logo no filme uma Sue e Johnny Storm negro porra!

  14. Se é arte, a representação tem que ser natural. Essas exigências são forçadas. Querer enfiar “representatividade” em tudo só vai gerar constrangimento.

  15. povo perde muito tempo dando bola pra personagem de gibi…..
    essa coisa de criança 😀

  16. Son of Batman [2014] BRRip XviD-SaM[ETRG]

    http://1337x.to/torrent/811920/0/

  17. “Perpetuar esse tipo de pensamento ou simplesmente concordar com essa ideia de “ditadura do politicamente correto” é dar suporte pra que esse tipo de atitude que segrega pessoas, seja pelo seu sexo, cor, sexualidade, aparência continue existindo.”

    mimimi é foda, mas isso que você disse está certíssimo.

    A deixa pro filme da Viuva já ta aí. Scarlett tá com dois filmes em cartaz onde ela é a protagonista principal, provando que consegue levar a trama sozinha.

    Já tem rumores de que Ultron vai realmente conseguir o Vibranium para sua carapaça diretamente do cu de Wakanda, o que dá (ui) deixa para um filme do Pantera Negra.

    E publico que vai ver Marvel vê qualquer coisa com o mínimo de valor de produção, o Maximim Tabuco tá aí pra provar isso.

    Se a Marvel esperar demais a febre por filmes de heróis vai passar, tamanha a saturação no mercado, e não vai sobrar espaço pra mais nada.

  18. The Freeman, El Cucaracho Libr

    Então o universo de heróis deveria ser como o MDM, tem o negro, que dá suas opiniões de forma clara… Não, deram o pior microfone pra ele… Mas tem o baixinho, que… Não, tiraram ele… Mas tem o Corto, que tem as opiniões diferentes e todo mundo… Ah, expulsaram ele… Mas tem o Triplo, o tiozinho que faz… Mas faz tempo que ele não aparece…
    Bom, no final das contas tem o Algures, o gay.

  19. Olha , sinceramente é meio que sem sentido mostrar os heróis gays e tal , se não tiver sentido na trama , fica meio gratuito chegar e só botar que ele é gay só pra dizer que é liberal , do mesmo jeito que tão botando o Tocha negro só pra dizer que não é racista , acho que tem que ser algo natural , e que se explorar , condiza com a trama ou com o personagem , e também acho que ja é hora de fazr um filme da Scarlet e também da Miss Marvel , no qual a Marvel tem os direitos

    • Não fica sem sentido, cara. Gay também tem história.

      Sem sentido seria mostrar casal de lésbica se pegando só pra agradar o público masculino. Ou seja, tem de haver uma história, assim como todo casal hetero se encontra por um motivo, seja para uma ajudar o outro, seja para atrapalhar.

    • Catenaroto - Terror do Catena

      Não me venha com papo de “a mídia tá mostrando como se fosse normal”. MAS É NORMAL. Gays também tem história. E só vale se for embasada

  20. Eu gostaria de ser representado em filme de supererói também! Um cara sem poderes, sem dinheiro e sem habilidades! Basta de preconceito!

  21. então enfia sua segregação em uma cavidade anal do mdm…A minha não…já ta ocupada!

  22. lá do testoterona….

    !! BAZINGUERO É ESSE BLOG AQUI QUE TEM A BUCETA DO NINFOMANIACA COMO LINK

    RECOMENDO PUNHETADAMENTE http://zip.net/bym7Fm
    #noreplay

  23. Hell, eu só não te ofereço a minha mãe porque meu pai me deserdaria e eu quero ser ryyyyyca quando ele bater as botas.

    Excelente post.

  24. O MUNDO PRECISA DE MAIS AMOR… PAZ… ALEGRIA!

    PRECISAMOS DE MAIS DADAISMO… DADA É LUZ ♥

  25. A EMPRESA DE PETROLEO GRINGA FOI UMA BOA IDEIA O/
    …. a culpa do prejú é o sistema economico que faliu em 2008 😀

  26. Scarlett tesuda, quanto mais melhor. E um filme só dela com aquela bunda, tudo de bom.

  27. vo pro lanche…
    só de brabo vou ler ranxerox o/

  28. Tirando minha opinião pessoal que não vai ajudar em nada, apenas causar mais merda no ventilador, acho que se tais comportamentos se fixarem no cotidiano, será normal a inserção de quaisquer tipo de personagem seja a galera do GBLTS ou os que curtem um comer bosta, animais, gente morta ou sei lá o que.

    Não é o caso de se forçar a apresentação de personagens com poderes mutantes de esconder rolas ou coisas do gênero em produções de massa, visto que ao meu ver filmes de heróis são voltado para as massas.

    A nível de heróis, em que diferencia o herói em ser ou não hetero? Até onde sei oque torna ele herói não é a capacidade de domar BBC durante a batalha, mas sim o comportamento, sua postura, seu caráter que sim vai além das opções de prazer, jeito de andar ou de se vestir.

    Ao meu ver, alguns personagens, por si só podem assumir tal postura, algumas historias permitem a inserção do posicionamento sexual outras não.

    Nos quadrinhos, isso já nem tão grave, mas aí eu pergunto, a opção sexual de algum herói já rendeu algum argumento bom dentro de uma história em quadrinho ? Me lembro que o Meia Noite e o Apolo rendia algumas interações peculiares ao enredo, mas eles não ficavam gritando por rolas envergadas durante a batalha, não era o foco.

    Da mesma forma que existe alguns grupos negros que tratam a luta contra o preconceito com mais ódio que os próprios racista, o movimento GBLTS e o feminista também possui gente assim também que não quer tornar normal nenhuma mudança social, quer que todos engulam a força como num filme porno.

    Tudo isso é lindo, tudo isso é glitter, tudo isso é bárbaro mas existem problemas bem maiores dentro do universo deles para se discutir do que se a Natasha Romanov merece ter uma trilogia ou se o Estrela Polar deveria ser o líder dos Mutantes, não acho que seja por aí.

    • Ok Bugman, já chega

    • Mas aí é que tá, cara: não dá pra esperar a “sociedade aceitar tais comportamentos” pra daí eles passarem a ser retratados nos meios de comunicação. Foda-se a sociedade, aceitar ou não não fará gays, negros e demais minorias deixarem de existir, porra.

      Você está dando a entender que histórias de personagens gays teriam como foco ficar gritando por rola, ao contrario das do Apolo e do Meia Noite. O foco entre todos os personagens héteros é ficar gritando por xoxoteca? Não, logo, a sexualidade, seja homo ou hétero não importa, mas se é hétero, está implícita e é aí que a homo deve sim ser manifesta, se for o caso do personagem.

      Ah, só pra terminar: se alguns grupos de minorias de agarram radicalmente em defesa dos direitos delas é porque não tá adiantando apenas falar, as pessoas não estão entendendo. Olha a asneira que você disse “não quer tornar normal nenhum tipo de mudança”. É justamente pela mudança que esses grupos lutam e que você fica falando que não vai adiantar nada.

      A sua vida deve ser bem conveniente. Pra você.

      • Wes, não tenho problema com nenhuma minoria, nem procuro manter distância, nem faço chacota, trato com normalidade o que acho normal, dois cara sentado sendo carinhosos um com outro, acho normal, agora como vejo na faculdade uma forçação de barra de gente se pegando forçando uma situação, sinceramente não acredito que seja por aí.

        Esteriótipos nunca são bem vindos, o viado escrachado não é bonito é engraçado, quase um palhaço onde todos riem dele, a sapatão (termo chulo do caralho) não fica mais homem em ser vestir como tal, coçar o “saco” ou querer trocar porrada com homens biologicamente reais.

        Sobre a asneira que falei, nem todas as mudanças serão feitas na porrada, nem todas precisam mostrar os seios em brasília pra aparecer no UOL, me lembro que durante a visita do papa, teve um grupo fazendo sexo com imagens e sei lá mais oq no meio da rua, ajudou em que a causa?

        Respeito a quem se da o respeito, independente se gosta de homem ou de mulher, trato as pessoas assim desde criança, não porque a televisão, porque me educaram para respeitar a pessoa, seja negro, pobre ou rico, mas me disseram que sempre respeite quem se dá o respeito, pra quem não se dá o respeito, foda-se!

        Gays nos quadrinhos, na igreja, na política, no esporte, tudo isso será superado e estabelecido no futuro, negros sofrem muito mais preconceito do que gays e não vejo tanto barulho, a melhor forma de ser ter respeito, repito é dar-se respeito.

        Wes, relaxa, gosto de vc tbm!

        • REBATENDO PARÁGRAFO POR PARÁGRAFO:

          Tá, mas você concorda que a forçação de barra na
          pegação ocorre entre heteros também, certo? E que
          ninguém fica falando que eles estão “forçando a barra”.

          O esteriótipo é questão comportamental de cada um e não define caráter. Não gosta, não olha.

          Pessoas são estúpidas, cara, o que acontece é que os
          que veem essas atitudes misturam tudo, vem com essa
          ideia de que “ah lá, feminista é tudo igual, mostra os
          peitos” e não é assim, avalie melhor as coisas que você
          vê e não coloque tudo dentro do mesmo saco, como você
          obviamente faz com os esteriótipos.

          Ou seja, na sua formação familiar te ensinaram apenas a
          respeitar quem te respeita PRIMEIRO, quem te respeita
          ANTES, não te ensinaram a iniciar o respeito, a ser
          aquele que começa fazendo a sua parte.

          Defina “dar-se o respeito”, malandro, ou eu vou ter a
          certeza de que dar-se o respeito pra você deve ser
          “fazer as viadagens entre 4 paredes, assim eu num
          vejo”. E em relação aos negros? Um negro dar-se o
          respeito é ficar na dele, fazendo coisa de… negros?

          Não precisa gostar de mim, vivi até hoje muito bem sem
          a sua “aprovação” e sem o seu “respeito”.

          • Wes, Dar-se o respeito não é fazer as coisas escondidas, mas fazer de forma apropriada, tipo, num carnaval, dois caras se pegando com vontade nem é nada, na fila do banco é, porque o mesmo vale para o casal hetero, talvez com menso impacto, dado a maioria ser hetero,

            Nao existem coisas de Negros, não existem coisas de brancos, não deveriam existir coisas de homosexuais, deveriam apenas existir as coisas que são adequadas para cada situação.

            O cara que entra numa sala de aula gritando “quero uma buceta” incomoda da mesma forma que um gritando “quero uma pica”,

            Quer ficar com alguém do mesmo sexo, beleza, quer se destaque de escola de samba sem estar no carnaval ou ser o babaca de academia nas festa, me desculpe se lhe incomoda Wes, mas para mim, não se dão ao respeito e não merecem o meu, mas o fato de não respeitar não quer dizer que irei matar, bater ou fazer chacota, apenas não pretendo estar de acordo.

            É um direito deles fazer o que quiserem ?
            É um direito meu pensar da forma que bem entender!

          • Cara, o problema é que se eu der um beijo numa moça na fila do banco, ninguém fala nada, agora vai lá eu dar um selinho no meu namorado e a reação é a que você tem com essa historinha aí de se dar ao respeito, porra. Você não sabe o que eu passo, logo, não entende.

            As pessoas preconceituosas usam os mesmos argumentos que você: dizem que não contra, que só expressam sua opinião e aí usam isso como arma pra espalhar o ódio.

            E novamente você mostra que, seja lá qual foi a sua formação familiar, só te ensinaram a respeitar se te respeitarem PRIMEIRO, ou seja, o mundo já tem as regras dele convenientes pra você, você não tem que lutar por nada do que eu luto e que são coisas básicas, portanto vê se não fica no caminho de quem tá aí tentando fazer um mundo melhor, mas não pra babacas como você.

            Me enganei com você, cara, que bosta, as máscaras caindo uma a uma.

            Aliás, você nunca precisou de máscaras, né? Homem, branco e heterossexual nunca precisou se esconder de nada, nunca sofreu preconceito, os que são diferentes que se danem.

            Parabéns.

          • Wes, desculpe se minha linha de pensamento causou algum transtorno, entendo quando você fala sobre ter que esconder-se atrás de padrões morais. Imagino que isso lhe tire a paz, mas não vou lhe atacar verbalmente, nem diminuir sua pessoa, nem supervalorizar seus ponto de vista. Apenas expressei algo que certo ou errado era um direito meu.

            Ao meu ver, você continua sendo o cara com comentários pertinentes, divertidos e sua sexualidade nunca foi problema aqui.

            Acredite, fico triste por ver você dirigir essas coisas pra minha pessoa, não, não sou homossexual, não sou negro, não faço parte dessas minorias, mas acho que como você e outros aqui tem seus problemas, eu também tenho os meus e são os que me tiram a paz, causam perda de peso, falta de foco, mas não quero comparar quem sofre mais, isso seria infantil e sem lógica..

            De qualquer forma, desejo a você a felicidade que você busca cara, como espero conseguir a minha.

            Sobre máscaras, me forço a usar vez ou outra um, a de super pai, pq meus filhos não tem que sofrer pelos meus erros e frustrações que permeiam meus pensamentos.

            Não sou esse monstro que você pintou.

            Desejo que você fique em paz e encontre sua felicidade.

          • Desculpas aceitas, mas porra, vê se não recrimina quem se mostra, cara. A aceitação começa a vir justamente através daqueles que que tornam visíveis as diferenças e se afirmam sendo o que são na sociedade.

            E isso não é falta de respeito. O governo que a gente tem é uma falta de respeito, a polícia que a gente tem é uma falta de respeito. O cara dando pinta, por exemplo, em nada muda a sua vida ou a dos seus filhos.

            Enfim, te desejo em dobro o que você me deseja.

  29. Catenaroto - Terror do Catena

    Hell não sendo misógino.

  30. Catenaroto - Terror do Catena

    Um post que poderia dar ótimas discussões e nada.

    Ah… mas é o MdM… esqueci.

    CADÊ REGRA 13?

  31. olha só, é isso aí, concordo com o Hell

  32. É ISSO AÌ!
    QUEREMOS UM TÊNIS QUE JÀ FOI MOLESTADO COMO PERSONAGEM JÀ!!!

    Né galera?
    .
    .
    .
    Galera?

  33. Mando bem Hell, tava até achando que era post do Porco.

    Aos poucos essa situação vai mudando, começou com uma atriz negra em Star Trek beijando um ator branco, quem sabe la por 2090 o mundo de jeito.

  34. Falta diversidade sexual e de gênero no mdm, ou não?!

  35. Pequeno Cícero Baby

    Ou seje: o Mercúrio vai virar uma negra gorda lésbica de cadeira de rodas que acha o Corto legal.

  36. GoDaddy Ultimate Platinum

    Caralh0, eu li um texto sério no mdm?

    E eu concordo com tudo

  37. quando assisto a um filme de super-herois, a última coisa em que penso é sobre quem ta comendo quem , quem dá o rabo, e por aí vai…

  38. Liefeld de um Futuro Melhor

    Mas quem liga pra representatividade? O MDM é o maior site homonerd e nenhum desses bichas quer ver mais viado na tela. Eles querem ver o wolverine galã sem camisa. Mas que onda!

  39. Pequeno Cícero Baby

    Ah, então o MdM quer defender as diferenças? Bota as fotos homoeróticas do casamento do Ultra aí, então!

  40. POha de viado sai dai, deixa como ta que ta bom bando de viadinhos.

  41. Liefeld de um Futuro Melhor

    Mas veja só também… Eu não vejo ninguém pedindo representação dos personagens de quadrinho no cinema de arte francês. Acho que o cinema de arte europeu é muito heterofobico. Só tem personagem mulher de meia-idade tendo crise existencial e homonerd trocando de rabo. Não tem um personagem super herói cheio de esteróides batendo nos viado e comendo as xoxotecas.

    Um bando de sacana que fica forçando uma barra da porra. Esses filmes são de nicho.

  42. Ó, e pra vocês que ficam aí nesse discursinho “ah, não consigo ser otimista, a sociedade não muda, não adianta, bla bla bla…”

    Cara, esse tipo de opinião beneficia o preconceito, faz volume a ele e abre brechas pra que descerebrados espalhem aí sua cultura de ódio entre a sociedade.

    É preciso se posicionar CONTRA qualquer tipo de preconceito AGORA.

    Pense que amanhã pode ser um filho seu que sofrerá preconceito por pertencer a uma minoria. E aí, o que você fazer? Vai culpar o seu filho por ser diferente de você?

    Pense que você ainda pode ser confundido com alguém de alguma minoria e sofrer uma injustiça. E aí?

  43. Isso é porque tanto o cinema como os quadrinhos ainda são nichos dominados por esteriótipos raciais e sexuais. A mudança tem que ser feita, mas acredito que de maneira gradativa. Esse lance de querer forçar a mudança de orientação e de cor do personagem é só pra agradar os produtores, que estão reféns da cultura politicamente correta, e que muita das vezes, não sabem que eles próprios estão corroborando com atitudes racistas e homofóbica, vide o carinha negro lá que vai ser o tocha humana.

  44. Crowdfunding do MdM

    Corto, sai desse corpo que não te pertence!

  45. Concordo em partes.

    A Viúva sofre com o cagaço dos produtores com protagonistas mulheres em filmes de ação. Acho que ultimamente só o Jogos vorazes tem tido sucesso, talvez o filme Salt. Existem outros filmes de ação recentes que fizeram sucesso com mulheres protagonistas?Isso não é uma questão só de filmes de super-heróis.

    Não são só os estúdios que tem de mudar, galera que assiste também tem que ir no cinema pra valer a pena gastar 100 milhões.

    • Pequeno Cícero Baby

      Pois é. Galera não se preocupa com os pontos exclusivos a um filme com heroínas, mas sim quanta regra 13 poderá gerar.

    • Sou fã da Scarlett, mas nunca vi uma história solo da Viúva nas HQs que fosse realmente boa.

      • Essa questão da Viúva Negra é besteira, pois o mesmo problema que rola com ela acontece com o Gavião Arqueiro. Simplesmente são personagens que não da pra trabalhar sem um grande planejamento.

        • Pequeno Cícero Baby

          Cara, um filme da Viúva teria que ser espionagem, não heroico. Tomando por exemplo o Bond, ele usa da sensualidade pra conquistar as mulheres, sendo galã. Se isso fosse ter em um filme feminino, a mulher seria puta.

          • Como é mostrado no começo dos Vingadores. Seria bem isso que você falou, só que ai a galera do politicamente correto ia cair em cima dizendo que a mulher está sendo usada como objeto sexual e blá,blá, blá.

          • Mas a viúva basicamente é uma personagem pra punheteiro desde o começo. Tentar coloca-la nos trilhos politicamente corretos é complicado.

        • É exatamente o que eu acho. A verdade é que a Viúva deveria ser parte da série da Shield, mas uma atriz do cachê da Scarlett torna isso inviável. A solução: dividiram as habilidades da Viúva em três ou quatro personagens e foram em frente.

  46. olha ai, olha só… só esqueceu dizer Sr. Hell que o seu blog é um dos grandes centros homoeróticos da globosfera nerd atual…

  47. Amigo_da_faculdade_do_Hell

    “Gordos , baixos e carecas” eita, bugman triplamente representado em minoria

  48. Singer, o cara que transformou uma das grandes personagens dos X-Men numa mera “pilota” da equipe, mesmo ela sendo interpretada por uma atriz oscarizada? esperar demais.

  49. Será que isso é só por questões culturais ou por questões de grana? Eu trabalho com marketing e sei que cliente quer é agradar o público. Infelizmente as minorias e simpatizantes não tem poder de compra para influenciar na produção de blockbusters hollywoodianos, essa é minha impressão. Só vamos ter boas histórias com homossexuais, negros e outros de forma inteligente e sem estereótipos racistas quando isso der lucro… é um mundo cruel!

    A CULPA É DO CAPITALISMO!!!!!! VIVA LÀ REVOLUCIÒN! Tomada comunista já! (to zoando galera)

    • Liefeld de um Futuro Melhor

      Então… Você é da zoeira?

    • Pequeno Cícero Baby

      Vou ligar pros milico invadir .

    • Minha leitura também é essa. Não adianta forçar a Marvel a virar uma Benetton se o dinheiro não acompanhar. Filme de ação é chauvinista por definição, como filme romântico é feminino. Acredito que o público “faz” o produto e não o contrário.

      • Mas boa parte do público gay também vê esses filmes e gera receita pra esse conteúdo, agora pergunta se o público hétero iria ver um filme com personagens principais gays, hã?

        • O que vc chama de filme de gays wes?

        • Pequeno Cícero Baby

          Cara, eu tava pensando nisso: eu achei Crash: no limite um filme muuuito chato e perdeu o óscar pra, por exemplo, Brokeback Mountain, que é bacana.

          • Tá vendo? O filme ter gays protagonistas não impediu você de gostar dele. E sei que o que você curtiu foi a história, não o fato dos caras serem gays.

            Isso que as pessoas não sabem diferenciar, tipo “ah, tem gay, num vou ver” e aí acaba perdendo um filme muito bom.

          • Pequeno Cícero Baby

            Cara, mas eu tava pensando nisso: até que ponto tem que se explorar a sexualidade? Nos filmes o mocinho sempre beija a mocinha no final, e em um “homo-filme”, seria um mocinho beijando um mocinho (ou qualquer “homo-variação”). Mas tipo, é algo que pra mim, se for necessário que tenha, tem que ficar no final mesmo, sem excesso de sexualidade. Me irrita ver pessoas se pegando na rua exageradamente, independente de ser gay ou não. Pra mim a sua sexualidade é algo seu pra você cuidar no seu quarto, e o problema é o esteriótipo (que em alguns caso se fazem reais tipo o Mallandrox) do gay afetado. Aí eu não gosto mesmo pois, como eu disse, sua sexualidade é algo que só interessa a você, independente de qual seja.

            Ou eu estou errado?

          • Cara, o esteriótipo é uma questão comportamental e não define caráter. E o cara machão não é um esteriótipo também? E ele não pode sacar uma arma e fazer uma chacina?

          • Pequeno Cícero Baby

            Pois é. E quando vai ter uma passeata, a tv vai focar no homo afetado e no hétero que vai ir dar porrada.

        • Tem isso. Quando saiu Brokeback e gerou aquele buzz todo, meus amigos tinham até vergonha de dizer que tinham visto. Eu mesmo nunca vi.

        • Não estou dizendo que não há discriminação, eu acredito que os filmes só são do jeito que são porque o público comum é preconceituoso. O que eu discuto é a causa de não existir diversidade nos filmes. Acredito que o problema está muito mais com o público do que com a indústria em si.

          • Sim, por isso eu digo: paguei pra ver no cinema cada um dos filmes de heróis que quis assistir. Nunca reclamei porque tinham bitocas hétero. Agora há quem deixe de assistir caso haja bitocas homo.

            Acho injusto e bobo da parte de quem faz isso.

      • Ihh, essa discussão vai longe! Do quanto as mídias são responsáveis pela educação e lá vai cacetada… mas que os block busters são provavelmente um bom “termômetro” social, ahh, isso são!

      • Pequeno Cícero Baby

        Pois é, cara. Basta um exemplo: neguinho tá cagando se Homem de Ferro 3 mostra como os EUA são paranoicos e como a mídia sustenta isso. Neguinho só quer ver luta de vários robôs no final.

  50. O site vai cair de novo….

  51. Pequeno Cícero Baby

    Vai

  52. Pequeno Cícero Baby

    Cair

  53. Pequeno Cícero Baby

    Não.

  54. A verdade é uma só: essa discussão só dura até sair post novo, daí todo mundo esquece. É triste, abigos, muito triste mesmo .___.

  55. Rodney "Dundee" Meneghell

    Sinto falta de um ateu cristão, um surdo mudo, uma gorda magra, um ex gay e um ex branco nesses filmes de heróis.

  56. LUTE POR SEUS DIREITOS HELL, LUTE POR SEUS DIREITOS HELL

  57. Hehehehe. Pela opinião da galera,no cinema, e na tv, é tudo muito bonito e liberal, né? Todo mundo apoia e defende a homossexualidade e tal. Mas, me digam uma coisa: quantos aqui gostariam/defenderiam um cara abertamente gay no seu time de futebol? Vejam bem, meu ponto não é “bolsonarista”, to pouco cagando pra o que cada um faz com seu rabo. Só quero ver se essa convicção toda se estende a outros campos, ou se é só hipocrisia. Em tempo, pra mim é indiferente esse tema, n defendo nem ataco a maior representatividade, nesse caso, de homossexuais – esse tópico em particular pouco me interessa. Mas, no ponto de vista suscitado pelo Réu, a consequência lógica é que se exija uma maior representação dessa diversidade em todos os âmbitos humanos – não só no cinema.

    • Liefeld de um Futuro Melhor

      Se o cara fizer gol, ele pode dar a bunda dele a vontade. Problema dele e do cu dele. Eu só quero que o meu time ganhe.

    • É o que eu tô tentando explicar aqui, mas vou ter que fazer um desenho: não tem que esperar a mídia mostrar que “está tudo ok em ser parte da minoria”. tem que começar a mudar já na forma como você interage com as pessoas à sua volta no seu cotidiano.

      Voicê foi amigo do cara a vida toda e até já brigou pra defender ele. Aí o cara diz que é gay e você simplesmente finge que não conhece mais. isso que tem que mudar. E nem precisa conhecer o cara também. Respeito sempre é bom.

      • Pequeno Cícero Baby

        Pois é. E eu até falei a parada da educação ali embaixo, e parecia um pouco que estávamos a discordar, mas acho isso importante: se educar, evoluindo sua forma de pensar pra que assim consiga garantir algo bom pros seus filhos pra passar essa mentalidade aberta pra eles também, e pra quem mais você tiver condições.

      • Acho que concordamos, então. Não sei se tu me passou uma carraspana, mas, enfim, meu ponto é que esperar que a mídia faça o papel de “inserir” a minoria no cotidiano é wishful thinking. Essa é uma prática que tem de vir da atuação individual das próprias pessoas.

        • Sim, concordamos, mas olha:

          Eu só penso que, a inserção de minorias nos grandes meios midiáticos
          levanta uma discussão benéfica e que pode mudar aí a realidade do “pai
          que ia bater no filho que foi assistir o filme do super herói gay”.

    • Eu tô me lixando pro que o centroavante do time faz com a vida privada dele. Se for artilheiro e trouxer títulos, é ídolo!

  58. Amo esse tipo de post, pois daí dá pra gente separar o joio do trigo.

  59. Pequeno Cícero Baby

    Gente, fiz um resumo pra quem chegou agora da discussão abaixo: EEEEEEPAAAAAAAA! EEEEEEEEEPAAAAAAAA! EEEEEEEEPAAAAAA!

  60. No dia que a conscientização de que preconceito racial/sexual/social/religioso é uma merda vier de casa, isso será refletido naturalmente nos produtos da indústria do entretenimento. Não adianta um filme em que o super herói é gay, se na casa do moleque que vai assistir o filme o pai é capaz de quebrar os dentes do coitado se ele assumir sua sexualidade. Os filmes são machistas e homofóbicos demais, os videogames são violentos demais, a TV tem baixaria demais mas o trabalho dos pais e responsáveis em conscientizar os seus filhos está uma maravilha, né? Bota um Iphone na mão do moleque pra ele parar de encher o saco. Parabéns, campeões.

    • Eu só penso que, a inserção de minorias nos grandes meios midiáticos levanta uma discussão benéfica e que pode mudar aí a realidade do “pai que ia bater no filho que foi assistir o filme do super herói gay”.

      • Eu não sei. Só em reunião da escola do meu filho já ouvi cada merda… Se a gente esperar uma indústria que só pensa em dinheiro tomar a iniciativa em mudar essa realidade, estamos ferrados.

        • Então não espere =D

          Vá ensinando ao seu filho que, se o coleguinha dele for gay, o problema é dp coleguinha e que isso não o diminui como ser humano.

          • Curioso, lendo os comentários de vocês lembrei de um primo cujo pai/mãe nunca teve preconceito com nenhum tipo de pessoa, eram bem tranquilos. Mas o moleque com uns 14 anos já era um homofóbico/racista meio pirado.

            Era saia na rua e tinha um surto de raiva com qualquer negro/oriental/homossexual que visse. Qualquer sinal de afetação por parte de uma pessoa deixava ele puto pra caralho, que logo começava a soltar frases como “Viado de merda, bando de filhos da puta, tem que matar esses bostas”.

            E o pai dele falava, naquela tranquilidade “meu filho, pare com isso. Tem que respeitar as pessoas, senão elas não respeitam você.” Nunca entendi que caralhos havia de errado com aquele moleque, e francamente prefiro não saber.

          • Pequeno Cícero Baby

            1-você não aprende coisas só em casa, mas em outros ambientes também;
            2-pelo que você falou esses pais até falavam, mas existem pais que são simplesmente passivos em vez de de fato ensinarem a respeitar as diferenças;
            3-menino retardado por natureza tem sempre.

          • Ahaha foi basicamente o que eu disse.

          • Sim, imagino que era tudo isso e algo mais. Aquele moleque era muito doido, ele gente boa 90% do tempo, de repente virava o CAPITÃO NAZISTA, PAM PAM PAAAAAAAAAAM! E depois voltava ao normal.

            Tivesse ficado mais um dia na casa dos meus tios, tinha quebrado todos os dentes do moleque.

          • Não é curioso, é triste: seus tios foram pais ausentes e a cabeça fraca do seu primo foi moldada sem caráter nenhum por meios externos, que, nesse caso, foram violentos e preconceituosos.

          • Pode ser simples, talvez ele seja homossexual, mas por alguma pressão externa (religiao, grupinho, os própios pais) ele tenha incrustado nos miolos que ser isso é ruim, e então fique com odio de si mesmo e dos outros.

          • Como diria o Nerd Reverso “Todo nazista é um judeu enrustido”, hauhuauhahuahau

      • Algo que estão esquecendo e que influencia e muito nos jovens é o desejo de ser aceito pelo grupo de amigos, as famosas panelinhas. E que infelizmente boa parte delas são chefiadas por elementos violentos, metidos a descolados e extremamente preconceituosos.

        • Sim, criados por pessoas que não lhes passaram um mínimo de noção de respeito. Novamente: a mudança começa em casa, não precisa fazer parte de uma minoria para ensinar os outros que o respeito é para todos, Todos, TODOS.

    • Ao mesmo tempo, a criança pode se influenciar por filmes, livros, etc. Se os pais têm um tipo de comportamento e ela vê outro nas obras que gosta, pode acabar se influenciando mais pela segunda, visto que é algo que ela GOSTA, e nem sempre IMPOSTA.

      • A pressão psicológica de um pai ogro pode ser muito maior do que um filme/desenho/programa e etc… Eu vejo muita delegação de obrigações para os meios de comunicação e muita pai e mãe imbecil ensinando bosta para os filhos.

        • Sim, sim, isso não tira o peso, nem o fato em si. Mas essas mídias tem poder de “abrir”(pior termo) a mente de crianças, por exemplo. Não quer dizer que vai, ou nada do tipo, mas pode ser o primeiro contato da criança com o “diferente”, com coisas que ela não teria com os pais ogros.

  61. DEIXEMOS A DISCUSSÃO DE LADO…
    VAMOS VIVER A DELICIA..
    VAMOS SENTIR A DELICIA CARA…

    VAMOS VIVER NO ESTILO JAILSON DE SER ♥

    http://puxas.blogspot.com.br/2014/03/jailson-mendes-ai-que-delicia-cara-pai.html

    VAMOS SER PAI DE FAMILIA QUE GOSTA DE RÔLLA O/

    AÍ CARA… AÍ CARA *o*

  62. Pequeno Cícero Baby

    Pô, eu ia chamar galera pra brinca de “sua mãe é tão …….. que ………” quando vem um assunto cabeça desses. A única solução é o Change liberar um daqueles posts geniais dele, tipo o do Flappy Change ou o do Baralho MdM.

  63. Bacana que o Hell deve estar na sede do mdm chorando de rir: botei os caras para tretar, agora o feriadão é sossegado.

    Faltou alguém falar: olha não sou homofóbico, mas como vamos explicar para os mininerds dois homens se pegando?

  64. José Padilha, o diretor dos dois Tropa de Elite e do remake de RoboCop, está adquirindo os direitos deNekome, argumento de um filme de ação de época, que será rodado no Brasil.

    John Hlavin escreveu a ideia, ambientada nos dias após a Segunda Guerra Mundial, que envolve dois sobreviventes do Holocausto que são enviados ao Brasil por uma organização judaica para caçar e matar os nazistas que fugiram do campo de concentração onde eles estavam.

  65. Quincas, O Frustrado

    Ótimo post (não acredito que disse isso…¬¬’), até pq, o MDM é o maior exemplo de diversidade da blogosfera espelhada do bar Ostra Azul!! RRRRRRRRRRATINHOOOOOOO!!

  66. Nueva nota. De quem? Do Algures.

  67. Sir Jones Kast, Ph.D.

    Mimimis….

    FoLOdam-se a “comunidade LGBT”.

  68. vão à merda, porra.

  69. Eu acuso a industria porno de descriminar atores japoneses. A industria se foca em vender ainda mais a industria de cinema america. Se tiver público eles irão fazer histórias para todos os gêneros e diversidade sexual. Agora cobrar de uma empresa que visa lucro que ela mude a sociedade é de mais pra minha cabeça.

  70. Parabéns aos envolvidos pela discussão sadia ante os questionamentos que o post fez… Por alguns poucos momentos vocês me fizeram realmente pensar que o mundo ainda pode melhorar… Agora já podem voltar a xingar as mães uns dos outros! AHEUAHEUAEHUAEHAE

  71. O Mestre Ta Dentro Do Seu Cu

    A diversidade está em toda a parte. Meu pau é singular entre as milhares de jebas que gozaram naquele cu. Meu pinto estará representado no coletivo dos machos, que virá à conciência de outrem, no momento em que o meu potinho de porra for taxada de puta.

  72. É só fazer um filme do MDM que tem 100% bichas, viados, 2 bichas e esse pulhas param de reclamar…

  73. Eu adoraria ver mais negões nos filmes (ui!), mas definitivamente não quero ver homens se pegando nos filmes que me interessam, isso faz de mim “meio viado”?

  74. Quanto pratulhamento ideológico…

  75. Quando colocarem homossexuais irão dizer que era muito contido, se exagerarem dirão que usou de esteriótipos, reclamar é a máxima.

    Filmes com heroínas foi discutido por um produtor nesses sites gringos, o cara disse que é um tiro no pé, não daria retorno, ou seja, ninguém quer “ousar” com grana a perder.

  76. Querem ver cuecas se pegando?
    Aluguem um porno homo e não encham o saco

  77. Rebolado do Capitão America

    talvez sejE melhor não tentarem “diversificar” por “diversificar”, pq precisaria de alguem que sabe que sabe e se importa com oque esta fazendo, bota nego que vai encher o filme de “cota” pra ficar politicamente aceitavel pode fuder o bagulho… por exemplo: colocaram um arbitro Retardo para apitar o jogo do Flamengo com o Vasco no Domingo e deu aquela merda la…

  78. TirulipaJr é Nerd Reverso

    É issaê Hell, apesar de suas (Nossas) contradições pessoais, consegue fazer um bom texto na maciotinha.

  79. Não concordo nem um pouco, se um gay, espírita, gordo, magro, ruivo, whatever, se uma dessas minorias for ÚTIL a trama, e o ator selecionado for o MELHOR PRO PAPEL, então sim, adiciona, mas o que está sendo oferecido é adicionar por adicionar, bora colocar um monte de minoria aí caralho, com atores não tão competentes quanto os disponíveis, afinal são negros e tem que enfiar nessa porra. Isso é estupidez, completa estupidez, adicionar algo que não vai ser relevante ao plot, se for eu acho ÓTIMO, do caralho colocar um gay esquerdista direitista negro nazista marxista vegetariano pansexual defensor dos animais, LINDO se for útil a trama, mas caso contrário, é forçação, é viadagem, é querer que todo mundo seja o campeão do mundo, quando na realidade tão defendida, não é assim, não é todo mundo que se destaca e se torna bom ator, e dar prêmio a quem não merece só por ser minoria é uma estupidez enorme.

    Nick fury é um exemplo de mudança que coube, nick fury é branco, o ator negro era BOM, portanto, coloca o ator negro.

    Não acho que o Bryan Singer seja um hipócrita covarde por não colocar um espírita um viado um preto e um ladrão na porra do filme, o cara não pode simplesmente não ter pensado nisso? Caralho tem tanta coisa pra por na história, ainda tem que agradar a deus e o mundo? Que caça as bruxas da porra.

    • el médico bernardo

      penis.

    • Tmk com vergonha alheia da DC

      Vou ser taxado de racista mas esse negócio já encheu o saco. Eu nem sabia que a Victoria Hand era homossexual e saber isso não faria a menor diferença nas participações dela no seriado. E a mesma coisa vale para qualquer outra minoria (que as vezes nem é tanta minoria assim).
      Você colocou muito bem @spiderjerusalm:disqus , mais importante que orientação sexual, cor, credo, veganismo ou qualquer outra bosta, é a relevância do personagem para a história.
      E a mesma merda da discussão do Tocha Negro de novo…(e sim, eu continuo discordando da escolha de um ator negro – que em entrevistas já deixou claro que vai ser o alívio cômico do filme – para um personagem branco).
      O Nick Fury nem foi uma troca, foi uma escolha entre duas opções (o Nick Fury do universo 616 e o Nick Fury do Universo Ultimate).
      E Hell, os quadrinhos cedo ou tarde vão refletir a realidade, provavelmente muito mais rápido do que no passado. Só não vejo necessidade de mudar o que já existe para se encaixar nisso (de novo, o Tocha Negro).

    • Como é que um gay é útil pra trama? Alguém tem que dar a bunda pra vencer o vilão? Então o default é: todo mundo é homem-branco-cristão até a trama pedir um preto pra falar gíria, uma mulher pra ser a gostosa ou um viado pra entender de moda?

      Ser gay/preto/macumbeiro não define um personagem porra, é um aspecto dele que trás profundidade. NADA impede que um personagem seja gay/preto/macumbeiro, simplesmente não se faz isso por ser tido como “seguro”, criando um mundinho reduzido, sem relação com o mundo real.

      PS. pros idiotas que vão dizer que super-herói não vive em mundo real, vai viver um pouco e aprender a argumentar.

      • Tmk com vergonha alheia da DC

        Quem tá sendo raso e não sabe argumentar é você – não que a maioria aqui saiba, mas isso é outra história haha. Veja bem, ser gay/negro/ou qualquer outra coisa, tem influência direta na história, porque muda a dinâmica entre os personagens. Cria possibilidades e conflitos diferentes do “padrão”. Então sim, se esse aspecto do personagem for relevante pra trama, ótimo. Como eu falei no meu comentário abaixo, eu nem fazia idéia que a Victoria Hand – ou a atriz – eram homossexuais e não fez diferença nenhuma para as aparições dela no seriado, mesmo antes dela bater as botas. Então nesse caso, se ficassem batendo na tecla do homossexualismo dela seria sim uma grande forçada de barra para agradar uma parcela do possível público. É isso que me incomoda e não existirem ou não personagens que representem as “minorias”. Que aliás é outro argumento bem idiota, afinal de contas, quem disse que é necessário que existam personagens que representem minorias para que essas mesmas minorias curtam quadrinhos, filmes, etc? Não vejo menor sentido nisso.

        • Muda a dinâmica dos personagens? O fato do Falcão ser negro muda alguma coisa no Capetão América 2? Quer dizer, o Falcão pode ser sidekick por que é negro, mas o inverso não poderia?

          Só tem diferença na dinâmica se no período retratado houver uma relevância pra isso (exemplo, um personagem gay nos anos 40, um personagem negro durante a guerra de secessão ou na época de escravidão, uma mulher durante a liberação feminina), nesses períodos históricos o personagem para ser crível tem que estar inserido no contexto e tem que ser afetado por ele, daí um negro seria “diferente” de um branco, afetando a dinâmica. Ou o outro caso seria se demonstrar uma diferença na dinâmica seja a intenção da estória (filmes que lidam com preconceito, em geral)

          Mas pra uma estória passada hoje em dia onde o foco é super-herói? No contexto social que vivemos? O cara ser hétero, homo ou bi, preto/branco não afeta necessariamente a trama e querer que o cara só seja negro “se fizer sentido” ou “se o ator for foda” não tem lógica.

          A questão não é “arranjar lugar pra minorias” é perceber que as minorias fazem parte do mundo e personagens com destaque também deveriam ser representados por minorias.

          • Querer que o personagem entre na trama só se fizer sentido não faz sentido, seu filha da putinha?
            Tem uma caralhada de filmes DO CARALHO com o tema racial, homosexual, religioso, ganham oscar a torto e a direita, o que você tá pedindo é pra enfiar coisas alheias ao filme. Que o diretor tenha a opção de ter o quinto elemento de azkaban como gordon e contrate o samuel l. jackson, ficaria bom? talvez sim, mas tão bom quanto a porra do everyooooooneeeee? duvido, o cara é um puta ator pro caralho, e o filme NÃO É de tema racial sexual religioso whatever, tem temas pra isso, tem filmes pra isso, ou filmes que não são desse tema mas que abordam isso, por ter espaço na obra.
            Um filme de herói que mal roteiro tem(geralmente) tem que procurar atores bons e divertidos, pra fazer um filme bom e divertido, não procurar atores minorias pra ajudar a sociedade opressora a liberar o cuzinho.

            Olha a porra das tartarugas ninjas, bota o donatello viado aí, splinter panda (afinal, estão em extinção) e destruidor um judeu branco alemão dos olhos azuis e cabelo loiro.

            Tudo tem seu lugar e sua hora, forçar isso só vai tornar minorias uma inconveniência que fodem os filmes.

          • O que eu tô querendo entender é quando colocar um personagem negro ou gay “faz sentido”.

          • Mas ninguém falou nada contra minorias que funcionam na trama.
            Eu não vejo o propósito de gay em um filme que não se foca em sexualidade, tem as gostosa eye candy mas tem os cara rasgadasso wolverine com pressão arterial no teto, e só.

            Não acho correto exigir profundidade social quando a profundidade do plot original já é tão rasa que dá pra ver o fundo no trailer.

          • Putz. Basicamente você tá colocando que só vale a pena colocar gay no filme se for pra discutir essas anormalidades.

            Pela sua linha de raciocínio, a escolha do mercúrio no lugar do estrela polar é acertada pois assim não perderia tempo de filme com essas discussões.

            A questão toda é que lutar por representatividade como as minorias estão fazendo tem como objetivo exatamente desmistificar essa palhaçada de papel certo pra tipo de gênero, etnia e orientação sexual.

          • Não, eu não disse isso, eu falei que certos filmes tem espaço pra certas coisas.
            Avengers não tem espaço pra comédia romântica, assim como não tem espaço(ao meu ver) pra discussões que não são piadas sem graça fora de hora e ação massavéio.

            O filme não precisa abordar homosexualidade, ou sexualidade em geral, pra incluir uma minoria, a minoria só precisa ser apropriada, e em um filme massavéio eu não acho que seja. Caso consigam colocar um dador de cu no meio dos xmen, e não fique uma parada forçada ou merda, eu acho ótimo, não é por ser um filme de ação que não pode ter.
            Pode ter sim, só não DEVE ter, não deve ser obrigatório, se o cara não achou necessário pra trama ou não conseguiu achar um ator que passe a viadagem de forma boa, vai chamar o cara de covarde por isso? Ou se simplesmente ele não viu espaço pra abordar esse tema, não é obrigatoriamente covardia, pode ser só falta de necessidade, ou atenção, cara pode simplesmente não ter pensado nisso.

            O que eu acho nocivo é essa caça as bruxas, que qualquer discordância é obrigatoriamente misógino nazista racista homofóbico. Não é assim.

          • Tmk com vergonha alheia da DC

            Muda a dinâmica dos personagens?

            Claro que muda. Você interage com todas as pessoas que você conhece sempre da mesma forma? Nunca em nenhum momento da sua vida você teve que levar em conta que fulano é mais velho, ou ciclano é evangélico, ou beltrano é gay para guiar sua interação com essas pessoas?

            O fato do Falcão ser negro muda alguma coisa no Capetão América 2?

            Não. Mas se colocassem ele branco ou chinês de tóquio eu ia reclamar e achar uma merda, porque o personagem é negro porra!

            Quer dizer, o Falcão pode ser sidekick por que é negro, mas o inverso não poderia?

            E onde que eu falei isso? Eu primeiro lugar, não vi o Falcão sendo representado como sidekick de forma pejorativa. Vi ele sendo representado como um amigo do Cap. Alguém que ele confiou (por ter o mesmo background militar que ele) e se voltou para pedir ajuda. Em nenhum momento eu vi qualquer coisa que diminuísse o valor do personagem por ele ser negro.

            Só tem diferença … lógica.

            Acho que respondi isso no primeiro parágrafo. Mas volto a falar. A dinâmica muda, porque o histórico do personagem muda, sua visão de mundo muda e suas reações mudam.

            A questão não é “arranjar lugar pra minorias” é perceber que as minorias fazem parte do mundo e personagens com destaque também deveriam ser representados por minorias.

            Nisso você tem toda a razão e eu concordo que, como reflexo da realidade do mundo, devam existir personagens relevantes representativos de minorias, mas não porque é correto, mas simplesmente porque essas pessoas existem. Mas o que eu discordo é a forma como isso é feito. Mudar a etnia, orientação sexual, hábitos alimentares ou qualquer outra coisa de um personagem já estabelecido num determinado universo é apenas jogada de marketing (tipo o Roberto Carlos, vegetariano desde muito tempo, fazendo propaganda da Friboi – olha que desserviço do caralho isso que fizeram). Não tem nada de representativo ou dignificador nisso. E quando querem forçar essas mudanças, levantando a bandeira da falta de representatividade, aí você cai na porcaria do politicamente correto.

          • A dinâmica sempre muda de pessoa pra pessoa, não por ela ser negro, gay, etc. Mas sim por ela ser estressada, relaxada, etc.

            E isso é um filme, as interações são programadas como aprouver. Não existe a necessidade da dinâmica ser diferente, como o caso do filme do capetão 2.

            Falando nisso, é interessante que eles modificaram e muito a origem do falcão, mas parece que você está bem com isso, mas mudar a cor passa a ser um absurdo. Então o “estabelecido” do personagem só conta etnia/orientação sexual?

            E parece que concordamos quanto a não querermos que coloquem minorias por colocar, mas nos casos trazidos aí em cima pelo Hell são questões pertinentes, em especial a ausência de tentativa de um filme solo da viuva gostosa negra.

          • Tmk com vergonha alheia da DC

            Mudar a origem do Falcão de um cara que treinava pombos no Harlem e tem uma afindidade com pássaros, para um ex-militar, usuário de um traje de vôo high-tech fez muito mais sentido pro filme e pro Universo da Marvel no cinema, facilitando ao público aceitar a amizade quase que instantânea entre ele o Capitão, sem precisar conhecer anos de histórias em quadrinhos. Faria sentido transformar o Falcão num branco homossexual? Tenho certeza que não.

            Sim, concordamos que não se deve colocar representações de qualquer tipo apenas por colocar. O negócio do Hell, é que por mais pertinente que seja, ele já cansou com esse mimimi. Tudo isso passa primeiro pelos roteiristas e editores – no caso específico dos quadrinhos – em criar personagem relevantes e não meros buchas ou apenas chamarizes que carreguem a bandeira da representatividade. Não adianta querer que a indústria do cinema seja o bastião da igualdade entre todos. Ela não vai ser isso nunca. Mas se as histórias tiverem essa representatividade, vai ser difícil Hollywood ignorar. O que Hollywood faz hoje são simplesmente jogadas de marketing, como foi o caso do Tocha Negro na Fox, que gerou atenção ao filme de merda que eles vão produzir, que os atores não sabem nada sobre o filme, as vésperas do início das filmagens.

            Um filme solo da Viúva Negra seria bem legal, mas como falaram aí nos comentários, ela já era secundária até nos quadrinhos. Leva um tempo para criar empatia com o público – além do fator “gostosa pra caralho” – para sustentar um filme. Só ver o tempo de participação dela em todos os filmes da Marvel que atuou.

            Tudo bem que é a incompetente da DC, mas e a Mulher Maravilha? Essa sim já poderia ter emplacado um filme solo há tempos e nada. Pelo menos a Marvel utiliza a Viúva nos filmes.

    • charlene_a_empregada

      “com atores não tão competentes quanto os disponíveis, afinal são negros”

      • Tirando do contexto, quer dizer que por serem negros não são competentes, não sendo um babaca chupa rola lambe pau do caralho e lendo no contexto, significa que um negro menos competente seria contratado somente pela sua raça.
        Isso é estupidez, se o mais competente for um negro, ótimo, se não, deixe o mais competente fazer seu trabalho.

        Julgar a pessoa pelo que ela pode fazer e não pelo que ela defende ou acredita, afinal é um trabalho como qualquer outro.

    • Só minorias tem que ser ~utéis~ pra trama, pq ser branco é o padrão, né. Branco pode tar ali pq afinal é branco, e branco é o normal. Pra ter um negro ele tem que ter UMA IMPORTÂNCIA!!!11!! Ah cara, vsf.
      E ainda reclama da inclusão de diversidade falando que é “viadagem”. Nada homofóbico.

      • Mas meu amigo interpretação de texto, abaixe seu tridente, o que eu disse foi que o ator tem que ser competente.
        Se o ator negro foi o que se destacou por competência, ele deve ser o contratado por simples mérito. A menos que o diretor queira um personagem especificamente negro, ou asiático, ou branco.
        Em nenhum momento eu afirmei nada do que você está dizendo, inquisição.

        • “se um gay, espírita, gordo, magro, ruivo, whatever, se uma dessas minorias for ÚTIL a trama”
          Pelo o que eu entendi, amigo, você quis dizer que fulaninho que não seja um homem branco, hetero e cisgenero precisa ser útil pra história, pq senão não é válido botar alguém “diferente”. E isso é idiotice.

          • Interpretação de texto, leia o resto do post e não só o que é útil ao seu argumento baseado no seu compreendimento errado do texto.

            O que eu disse, sintaxe, foi que uma minoria não deveria ser contratada pelo simples fato de ser minoria, o mais capacitado a interpretar o papel é o que deveria entrar no filme, seja ele negro, azul ou branco. Magros não são minoria(por enquanto) oprimida e estão nesse pedaço de texto que você não soube interpretar.
            Assim como uma minoria não deveria entrar no roteiro de um filme se não é adequada aquela obra, o mais adequado deveria entrar, independente de sua etnia, crença ou opção sexual.
            Se o responsável quer um gay naquele filme, ótimo, construa o filme de forma que aquilo seja relevante e construtivo a história, e não adicione por adicionar, já que isso só vai tornar qualquer minoria um incômodo em qualquer obra, “alá, a cota de viado inútil no filme”, e não é assim que você destrói preconceito, é assim que se cria preconceito. Cria um viado MANEIRO, assim como criam heróis brancos e negros maneiros, assim como o brokeback mountain é um bom filme, assim como tantos outros personagens são bons, e não como cereja de bolo, “olha gente meu filme tem minorias eu sou liberal hohohohoo progressismo hohohoho look at me”. As coisas não funcionam assim.

            Basicamente, torne as minorias de qualidade(assim como todo o resto), e não jogue a moda caralha com cota minoria e bolsa incompetência.
            Se minorias frequentemente não são capacitadas a entrar em um filme(e eu não sei se é assim, só estou fazendo uma suposição) por mérito, elas tem de ser capacitadas primeiro, e não entrar pela porta da frente sem pagar passagem.

  80. Porra, cara! Mas aí já é reclamar demais! Eu concordo que tem que ter cada vez mais diversidade, mas reclamar do que já tá lá é foda. Olha os quadrinhos trinta, quarenta, cinquenta anos trás! A gente precisou de 40 anos e a Scarlett Johansson pra que a Viúva Negra rendesse pra caralho “fora” do meio geral dos quadrinhos e só agora a gente tem uma ongoing dela. A galera SÓ RECLAMA. Olha como era antes e olha como tá agora! As coisas tão mudando pra melhor, porra, mas não vai mudar de um dia pro outro!

  81. A Marvel poderia inserir o Hukling e o Wiccano na série da S.H.I.E.L.D.

    • vai demorar pra ter Jovens Vingadores na parada. É mais fácil eles introduzirem esses personagens em filmes futuros do que na série.

      • Eles poderiam fazer com que depois da catástrofe causada pelo Ultron em Vingadores 2, os heróis resolvessem recrutar jovens super poderosos. Assim também começaria a Academia de Vingadores.