Home / A Gente Lemos / A gente lemos: o Demolidor do Mark Waid

A gente lemos: o Demolidor do Mark Waid

demolidorwaidHOME
Quando um dos seus roteiristas de quadrinhos favorito encara um dos seus personagens favoritos, você precisa ler. Se ele ganhou o “Oscar” dos quadrinhos americanos então (o Eisner), mais ainda.

É o caso aqui. Quando penso em Mark Waid, me vem à mente algumas das minhas HQ’s de super-heróis favoritas, como Reino do Amanhã e Liga da Justiça Ano Um. Em atividade na indústria ainda hoje, Waid é um dos poucos autores que sabe, e muito bem, trabalhar o lado humano desses infames seres super-poderosos e suas ridículas noções de vestuário.

Com isso, não era de se estranhar que, na Casa das Ideias, Waid recebesse nas mãos justamente o Demolidor, membro daquele grupo (não oficial) de heróis urbanos da editora (e, logo, um tanto low power se comparados a Thor, Hulk e cia). Fato é que, conforme demonstra bem os dois Eisnereses ganhos (melhor série e melhor escritor), foi uma decisão bem acertada.

E se o “humanismo” do Waid já é notório e eu já citei, há outro ponto na sua trajetória que faz com que o casamento com o Demolidor seja longevo: Waid é um descarado amante do super-heroísmo a moda antiga. É esse o tema central dessa nova fase do Demolidor – vencidas todas as fases negras pelas quais o personagem vinha passando, agora é um novo tempo, uma era mais heroica que se inicia.
DaredevilBruiser
Assim, Mark Waid nos apresenta um Demolidor que pode estranhar à primeira vista: o herói não é um justiceiro caladão, sisudo, quase um Batman vermelho e sem capa. Nesse aspecto, o comparativo, seu Demolidor pende muito mais para o amigão da vizinhança. Ainda que mais metódico que o Aranha, seu Demolidor sorri, erra, se mete em enrascadas que não tem muita chance de sair. Waid sabe que para a maioria dos leitores isso é uma quebra de expectativa e tanto e, por isso mesmo, saca da cartola um Foggy Nelson desconfortável com as mudanças do amigo. Se você prestar atenção, perceberá que, ironia das ironias, é Foggy quem quebra o tom da história quando interage com Matt. E é irônico porque, gorducho e de gravata borboleta, era ele quem trazia leveza às histórias – e não o contrário. Foggy é a pulga atrás da orelha dos leitores, que sussurra: “tem algo errado aqui”.
Daredevil-1_swashbuckling-daredevil1
Na arte, temos Paolo Rivera e Marcos Martin. São artes parecidas, e quando Martin assume de fato o lápis, sente-se alguma quebra, mas muito sutil – sutilmente boa, inclusive. Artistas tarimbados como Neal Adams e Bryan Hitch apresentam capas alternadas aos desenhistas regulares, o que sempre engrandece o trabalho (ainda que Hitch coloque o Destemido numa torção de pescoço bem… digamos… incômoda), mas a melhor capa é mesmo de Martin. Numa arte a la Dave Johnson, Martin apresenta uma lindíssima imagem do Demolidor se balançando sobre edifícios-metralhadoras: o tipo de arte que merece moldura.

Por fim, este volume de Demolidor é uma excelente porta de entrada: interessante, instigante e engatilhado numa trama maior. Tudo com uma sintonia (rara) entre roteiro e arte. Coisa de primeira, lugar garantido na estante.

Demolidor #1, de Mark Waid, Paolo Rivera e Marcos Martin. Panini Comics, 148 páginas, R$18,90

Nota: 8,5
daredevil-vol-3-20110320015002133-000

Sobre Poderoso Porco

O mar não tem cabelos. Eu também não.

Além disso, verifique

Nova hq no Catarse transforma pesadelos em criaturas reais

Em “A Noite Espera”, pesadelos são tornados reais literalmente (ou seria “literaturalmente”?) na forma de …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.